ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Avaliação da interação retireiro-vaca no momento da ordenha

POR MARCELO SIMÃO DA ROSA

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/03/2010

4 MIN DE LEITURA

5
0
A interação retireiro-vaca leiteira na ordenha influencia o comportamento, produtividade e bem-estar animal. Ela também é importante para o sucesso financeiro e o marketing da propriedade. Propriedade que oferta melhores condições para que seus animais tenham bem-estar adequado tem possibilidade de maior lucratividade e melhor imagem junto ao mercado consumidor de seus produtos.

A avaliação do bem-estar animal geralmente é realizada por técnicos especializados, tornando-a limitante financeiramente a uma boa parte dos pecuaristas. Para que todos os proprietários tenham condições de avaliar a qualidade da interação que é desenvolvida durante a ordenha, estamos propondo um sistema de avaliação que indicará qual é a qualidade da interação e, por consequência, a qualidade do retireiro e o nível de bem-estar das vacas na ordenha.

O nível de bem-estar na ordenha poderá ser bom, quando as vacas estão tranquilas, ou ruim, quando as vacas apresentam comportamentos indesejáveis. A qualidade da interação poderá ser classificada de acordo com as seguintes classes:

-Interação insignificante: os retireiros realizam a ordenha praticamente sem interagir com a vaca, não empregando nenhum, ou com baixa frequência relativa, os comportamentos considerados como fortes influenciadores no comportamento das vacas em lactação. Assim, a ordenha é realizada de maneira monótona e o comportamento do retireiro pode ser considerado neutro. O comportamento dos animais durante a ordenha também são pouco perceptíveis: baixa ocorrência de ruminação, baixa ocorrência de defecação e micção e baixa reatividade. Os animais se apresentam como se estivessem entediados. Entendemos que nessa situação o bem-estar animal está ruim.

-Interação desaconselhável: os comportamentos negativos exercem maior influência no comportamento da vaca, embora pudessem ocorrer comportamentos humanos positivos. Devido à maior influência dos comportamentos negativos, quando o comportamento positivo é realizado, os animais respondem negativamente, uma vez que já reconheceram o retireiro como aversivo. Os animais apresentam comportamentos indesejáveis. Esses são acentuados quando o retireiro direciona a ação, por meio do tato ("tatear", "bater", "torcer cauda" ou "empurrar") ou da voz ("conversar", "nomear" ou "gritar"), de maior frequência relativa. O bem-estar animal está ruim.

-Interação instável: os comportamentos negativos exercem maior influência no comportamento da vaca, embora possa ser maior a frequência relativa dos comportamentos positivos. Os retireiros são reconhecidos como aversivos. Os animais apresentam comportamentos indesejáveis, provocados pela inconsistência do retireiro em definir o tipo de ação durante a lida com os animais. O bem-estar animal está ruim.

-Interação aconselhável: os comportamentos positivos exercem maior influência no comportamento da vaca, embora possa ocorrer comportamento negativo. Este tipo de interação é um dos alicerces da ordenha sustentável. Os retireiros são reconhecidos como positivos e os animais apresentam comportamentos indesejáveis de forma pontual quando a ação aversiva é aplicada. O nível de bem-estar do animal está bom.

Para conhecer a qualidade da interação retireiro-vaca leiteira, os seguintes passos deverão ser realizados:

1) o observador (proprietário, supervisor dos retireiros ou qualquer outra pessoa que esteja habituada com as vacas e com os retireiros) deverá, em períodos regulares, acompanhar as ordenhas. Neste momento, registrará o comportamento dos retireiros durante a acomodação e liberação das vacas da sala de ordenha, por meio da ocorrência (ou não) das seguintes categorias comportamentais:

a) Conjunto de ações positivas: Conversar (Cv) - fala dirigida ao animal com timbre de voz suave; Tatear (Tt) - toque suave com as mãos; Nomear (Nm) - pronúncia do nome da vaca com timbre de voz suave.

b) Conjunto de ações negativas: Bater (Ba) - pancada que o animal sofre do retireiro; Gritar (Gr) - fala com timbre de voz acentuado; Empurrar (Em) - esbarro agressivo intencional; Torcer a cauda (Tc) - torção da cauda.

2)Após os dados colhidos, irá esquematizar dois blocos: o de ações positivas (Cv, Tt, Nm) e o de ações negativas (Ba, Gr, Em e Tc). Calculará a frequência relativa por ação (Cv, Tt, Nm, Ba, Gr, Em e Tc) e após, a freqüência relativa média do bloco.

3)Calcular a razão entre as frequências relativas médias do bloco positivo e do bloco negativo. Verificar em qual situação a razão se enquadra:

a)Menor que 0,25: interação insignificante
b)Entre 0,26 e 1,55: interação desaconselhável
c)Entre 1,56 e 6,45: interação instável
d)Maior que 6,45: interação aconselhável
e)Quando igual a 0,0 (zero):
e.1) se as frequências relativas dos blocos positivo e negativo forem iguais a 0,0 (zero), a interação é insignificante;
e.2) se a frequência relativa do bloco positivo for, no máximo, igual a 6,45%, a interação é insignificante;
e.3) se a frequência relativa do bloco positivo for maior que 6,45%, a interação é aconselhável;
e.4) se a frequência do bloco negativo for, no máximo, igual a 6,45%, a interação é insignificante e
e.5) se a frequência do bloco negativo for maior que 6,45%, a interação é desaconselhável.

Por exemplo, na observação de 100 vacas na fase de acomodação e liberação da ordenha, ocorreram as seguintes ações positivas:10 de conversar, 14 de tatear e 1 de nomear, perfazendo as frequências relativas de 10%, 14% e 1%, respectivamente. Em termos de ações negativas, foram identificadas, hipoteticamente: 5 de bater; 20 de gritar; 1 de empurrar e 2 de torcer a cauda, resultando nas respectivas frequências relativas de 5%, 20%, 1% e 2%. Empregando média aritmética dos dois grupos, chega-se a uma frequência média relativa de atitudes positivas de 8,33% e das negativas de 7%. A partir daí, calcula-se a razão entre elas (8,33/7,00) atingindo-se o valor de 1,19, que de acordo com a classificação acima significa uma interação desaconselhável.

Referência:

ROSA, M. S. Ordenha sustentável: a interação retireiro-vaca. 2004. 83 f. Tese (Doutorado em Zootecnia) - Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 2004.

MARCELO SIMÃO DA ROSA

Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais - campus Muzambinho. Atua na área de Etologia/Bem-Estar Animal e Bovinocultura Leiteira e Bovinocultura de Corte.

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DEYSE CAROLINA DE SOUSA

BLUMENAU - SANTA CATARINA - ESTUDANTE

EM 04/11/2013

Boa noite Marcelo, tudo bem? O seu texto é ótimo e me ajudou muito. Estou a procura do artigo que você usou como referencia.

ROSA, M. S. Ordenha sustentável: a interação retireiro-vaca. 2004. 83 f. Tese (Doutorado em Zootecnia) - Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 2004.



Você sabe como eu posso consegui? Ja procurei muito e não o encontro

Obrigada

Deyse C. de Sousa

de_carol@hotmail.com
JOSÉ CARLOS SILVA JÚNIOR

PASSOS - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 29/09/2010

Parabéns pelo artigo Marcelo, e pelas dicas de sites estão sendo de muita importancia no meu crescimento proficiona!
Sucesso!
GILBERTO BERRINGER DE ASSUMPÇÃO

CRUZEIRO - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 01/04/2010

Marcelo,

Muito bom o seu texto. Gosto muito dessa area de bem-estar, nós técnicos temos que nos preocupar com produção e um dos pilares é o bem-estar animal.

Abraços
MARCELO SIMÃO DA ROSA

MUZAMBINHO - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 26/03/2010

Prezado André Luis!

A fala humana é de extrema importância durante a lida com os animais, seja de produção, silvestre ou de companhia. Quando o ordenhador chama as vacas e elas realizam o deslocamento por vontade própria, o que ele está praticando é o condicionamento operante, ou seja, as vacas vão espontaneamente porque sabem que serão ordenhadas naquele momento (reforço positivo). A ordenha é uma recompensa para o animal, pois alivia a pressão negativa do úbere. Bovinos escutam sons mais altos e mais baixos em comparação à nossa audição. A altura da fala humana a ser dirigida ao animal deverá ser a mesma que empregamos numa conversa normal, entre nós (pessoas). Pelo comentado, o ruído da sala de máquinas é alto, o que faz com que o ordenhador emita um som mais alto ao chamar as vacas. Mesmo este som sendo alto, as vacas não estão o reconhecendo com um grito agressivo, provalvelmente, porque a entonação é diferente e também pelo fato do som está sendo abafado pelo ruído. Ruídos altos nos estressam e também estressam as vacas, podendo haver perda auditiva de ambos (ordenhador e vaca). Pessoas estressadas tendem manifestar ações negativas com maior frequência e consequentemente desenvolverem a interação desaconselhável ou a instável. Não temos informação precisa sobre o prejuízo na produção leiteira quanto ao ruído. O que sabemos, nesse sentido, é: 1) a ação "gritar" pode provocar uma queda de até 2,8 kg de leite/vaca/ordenha (média rebanho igual a 22 kg de leite/vaca/dia); 2) música durante a ordenha, numa altura não estressante, acalma o retireiro e consequentemente a vaca e 3) ruidos altos na sala de ordenha fazem com que as vacas permaneçam no fundo da sala de espera, dificultando a entrada na sala de ordenha.
Atenciosamente.
Marcelo
ANDRÉ LUIS

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 22/03/2010

Boa noite,

na minha propriedade o meu ordenhador ´conversa"muito com as vacas. por exemplo, ele chama todas as vacas pelo nome, do curral e elas entram na ordenha, com rarissimas excessões, necessitam ser buscadas, porem ele grita ao chama-las, isso tem algum efeito negativo. Outro ponto que me chama muito atenção é o ruido provocado pela ordenhadeira, que é bastante alto, e ele ainda escuta som mais alto, para poder compensar o alto ruido promovido pela ordenha. Qual o impacto disso para a produçao de leite?
MilkPoint AgriPoint