ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Atenção herdeiros com a "liminar do 1%"

POR FABIANO DE MARCO

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/05/2010

2 MIN DE LEITURA

2
0
Consultado pela empresa Safras & Cifras acerca da orientação mais acertada aos seus clientes, no tocante aos processos judiciais em andamento nos quais vigoram liminares para o recolhimento do Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCD) à alíquota de 1%, tecemos a seguinte consideração, objetiva e em linguagem acessível.

Pende de julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) o Recurso Extraordinário (RE) número 562045, no qual se espera ver definido o entendimento acerca da constitucionalidade das cobranças do imposto de doação mediante alíquota progressivas, como no Estado do Rio Grande, variáveis de 1% a 8% nos inventários e 3% a 8% nas doações. Desde 2008 o Ministro Carlos Britto tem vista dos autos, o que impede a continuidade do julgamento. Até o momento cinco ministros votaram, dos quais quatro entendem legítima a cobrança do estado e apenas um sustenta a sua inconstitucionalidade.

Em poucas palavras, a probabilidade de o Fisco vencer este embate é maior do que a do contribuinte.

Enquanto tramitava este recurso no STF, o Estado do Rio Grande do Sul alterou as alíquotas de inventário e doação para os percentuais de 4% e 3%, respectivamente, independentemente do valor envolvido no fato gerador. Tal se deu mediante a publicação da lei 13.337, de 30 de dezembro de 2009.

A relevância da presente consulta decorre da redação do artigo segundo da referida lei:

Art. 2º - Fica estendida aos fatos geradores do Imposto sobre a Transmissão, "Causa Mortis" e Doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCD), ocorridos até a entrada em vigor desta Lei, a aplicação das alíquotas:

I - 4% (quatro por cento), sempre que a alíquota aplicável, em razão do disposto na legislação vigente até a entrada em vigor desta Lei, nos termos do art. 18 da Lei nº 8.821, de 27/01/89, for superior a 4% (quatro por cento);

II - 3% (três por cento), sempre que a alíquota aplicável, em razão do disposto na legislação vigente até a entrada em vigor desta Lei, nos termos do art. 19 da Lei nº 8.821, de 27/01/89, for superior a 3% (três por cento).

§ 1º - O disposto neste artigo fica condicionado a que:
a) o contribuinte solicite o benefício apresentando requerimento à repartição fazendária onde foi processada a avaliação;

b) o contribuinte efetue o recolhimento do total do imposto devido até 30 de junho de 2010.
§ 2º - O disposto neste artigo não autoriza a restituição ou a compensação de importâncias pagas até a data de início de vigência desta Lei.


A nova lei permite que os contribuintes recolham seus impostos pelas alíquotas novas, mesmo que o fato gerador tenha ocorrido antes de sua vigência, desde que o contribuinte solicite o benefício apresentando requerimento à repartição fazendária e efetue o recolhimento devido até o dia 30 de junho de 2010.

O fato é que a lei revela uma "chance" aos contribuintes de pagarem aquele imposto discutido (liminar do 1%) pela alíquota de 4%, desde que tomem a iniciativa de fazê-lo até o dia 30 de junho deste ano. Se não fizerem dependerão de êxito nas suas medidas judiciais, as quais certamente vinculam-se ao improvável resultado do julgamento do RE 562045.

Concluindo: se o STF declarar constitucional a antiga alíquota de 8%, todos aqueles contribuintes que se beneficiaram da liminar do 1% deverão recolher os 7% adicionais; se desistirem de suas demandas e aderirem ao benefício da nova lei, até o dia 30 de junho de 2010, poderão pagar 4%, mediante pagamento complementar de 3%.

A melhor conduta é aquela que cada contribuinte entender adequada depois de refletir sobre estas informações. Trata-se de decisão gerencial baseada em dados objetivos e probabilidade.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

LUCAS ANTONIO DO AMARAL SPADANO

GOUVÊA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 01/06/2010

Parabéns ao Dr. Fabiano pelo alerta, não é o meu caso, mas quem já foi ou é operador da Justiça percebe para onde os ventos vão, tenho dois amigos no sul, que estão com frente a esta situação. Vou repassar aos mesmos tão preciosa informação e conselho.
Ccompareça mais nestas páginas Dr. Fabiano, é importantíssimo que homens como o sr. orientem e esclareçam sobre assuntos tão complexos da área jurídica.
Abraços e cumprimentos!
Lucas Spadano
IZALTINO MOACIR AUGUSTI JUNIOR

AMAPORÃ - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/05/2010

Neste mês que estou na internet achei este site incrivel que nos tras com noticias otimas pois que esta no campo nao tem tempo para adquirir informaçoes presisas e com veracidade oooooooooooobrigado ........
MilkPoint AgriPoint