ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

A Importância do gerenciamento na ovinocultura

POR NEI ANTONIO KUKLA

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/05/2009

3 MIN DE LEITURA

11
0
Produzir alimentos nos dias de hoje já não é mais segredo para ninguém, pois existem tecnologias de produção para cada tipo de cultivo ou criação animal, tem meios do agropecuarista acessar informações sobre o seu sistema de produção, quer via Extensão Rural, televisão, internet, jornais, revistas... enfim, a informação está disponibilizada nos diferentes meios de comunicação, basta busca-la e filtrá-la.

Para se produzir, temos ainda as condições naturais como solo, água e luminosidade necessários para a obtenção de alimentos, quer seja grãos, frutas, verduras, carne, leite. Ainda, de acordo com o tipo de exploração econômica precisamos dispor de um mínimo de infraestrutura disponível, capital e mão-de-obra. Todos esses recursos são passíveis de alcançar.

Diga-se de passagem, o emprego dos insumos citados aliados às boas condições climáticas nos permitem a obtenção de produção abundante e de qualidade. Então, por que ao andarmos no campo, nos mais longínquos rincões desse nosso chão muitas vezes encontramos propriedades que adotam técnicas recomendadas, produzem em abundância e não saem do "vermelho"?

Arrisco aqui uma resposta para esta incógnita: técnicos, líderes rurais e agricultores recomendam e utilizam todas as ferramentas para produzir, porém, ninguém faz uso da ferramenta mais acessível e barata de todo esse ciclo produtivo, a Administração Rural.

Sabemos que na ovinocultura, felizmente o profissionalismo nas propriedades está avançando a passos largos juntamente com o crescimento do setor, mas ainda há muito que melhorar. Também, é comum ouvirmos principalmente nas pequenas propriedades de que "essas ovelhas que temos aí são só para o gasto" e aí se tem só gasto mesmo, pois independente do tamanho do rebanho, o seu gerenciamento é imprescindível para determinar o êxito da atividade.

Anotações simples em fichas próprias ou até atrás de calendários de parede, como época de cobertura, data provável de parto, vacinações, vermifugações nos permitem avaliar a eficiência do rebanho. Cito exemplos:

1) Acompanhar o momento da cobertura através de anotação nos permite fazer o toalete (limpeza da região do úbere e vulva) para que os cordeiros ao nascer não morram por inanição ao sugar chumaço de lã (caso de não fazer o toalete) ao invés de ingerir leite;

2) Fazer a identificação dos animais através de brincos ou tatuagem juntamente com as anotações zootécnicas permite que o criador possa fazer o descarte dos animais improdutivos, evitando usar recursos dos animais produtivos para alimentar os primeiros;

3) Ter o conhecimento do mercado de cordeiros é essencial para escoar a produção, acompanhado de escala e qualidade do produto e saber valorizar o atendimento pós-venda;

4) Rastrear o nosso produto é sinônimo de confiança, estreitando assim o elo produtor - consumidor;

5) Valorizar o capital humano envolvido com a atividade, procurando manter um feed back (retorno) do que está acontecendo na propriedade para a tomada de decisões conjunta;

No caso específico da ovinocultura, o trabalho coletivo com outros criadores, quer seja via cooperativa, associação, integração para ter escala de produção, poder de barganha e capacidade de comprar maiores quantidades de insumos necessários à produção a preços menores. Fortalecer sempre o grupo de ovinocultores.

Nós, criadores, sabemos qual o custo de produção do quilo da carne que produzimos?

Se a resposta é negativa, então como iremos formar o preço de venda? Com que base que iremos diluir nesta conta os gastos que tivemos para produzir o quilo de carne mais a margem de lucro desejada?

Ou será que vamos ter todo o esforço para produzir e depois, ao final do ciclo, ficamos a mercê de atravessadores que ditam o preço que querem pagar pelo nosso produto?

Como vocês devem perceber, a ferramenta da Administração Rural ou Gerenciamento da atividade não envolve grandes dispêndios de recursos para implantá-la e é um instrumento eficaz para evitarmos "que a torneira jorre" sem necessidade.

NEI ANTONIO KUKLA

Sou Técnico Agrícola, Administrador com especialização em Agronegócios e atualmente Agronomia
Presidente da Unitagri, que atua no segmento de assistência técnica extensão rural, Secretário Mun. Agricultura União da Vitória PR

11

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

NEI ANTONIO KUKLA

UNIÃO DA VITÓRIA - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 22/03/2010

Caro Ewerton Henrique:
A EPAGRI (Empresa de Pesquisa Agropecuária de SC) possui um programa chamado Contagri, onde lhe permite contabilizar a contabilidade de sua atividade (não só ovinocultura). O contato é: www. epagri.sc.gov.br
Ainda, as associações de criadores de ovinos podem lhe fornecer informações sobre Gerenciamento ou informar empresas que possuem tais programas.
Atenciosamente,
Nei Antonio Kukla
EWERTON HENRIQUE

SOCORRO - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 19/03/2010

Gostaria de saber se você sabe de algum programa de gerenciamento que posso baixar. Obrigado
CAPATAZ ASSESSORIA RURAL

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL

EM 26/11/2009

Parabéns pelo artigo.

Vejo que "deu pano pra manga"!

Em qualquer negócio, e no segmento pecuário não poderia ser diferente, é fundamental que o gestor saiba o que está fazendo e tenha ampla visão do seu negócio.

E para gerir bem, tomar decisões corretas e a tempo, é preciso de informações úteis, suficientes e pertinentes.

E para ter essas informações é preciso que haja controles sobre todas as operações da fazenda, principalmente quanto ao desempenho dos animais.

A. Duarte
NEI ANTONIO KUKLA

UNIÃO DA VITÓRIA - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 26/05/2009

Vemos que a Administração/Gerenciamento vai além da porteira, pois como um colega citou, em seu município ou região foi construído um abatedouro sem um plano de negócios e agora não há produção suficiente para que a planta frigorífica seja mantida.

Quando o negócio se direciona para este caminho, ou seja, a construção de unidade de abate, reparem que os investimentos são altos, por ora não se pode sair por aí construindo sem que haja primeiramente a produção em escala e sem que se tenha um plano de negócios, conhecimento de mercado e visão de futuro.
LAUDIR NILSON ZILS

MARIPÁ - PARANÁ - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 26/05/2009

Sr.: Alberto

Seu argumento é corretissimo, e nossos projetos se direcionavam para esse caminho, ocorre que a nossa região foi agraciada com um frigorifico de ovinos e caprinos construido com apoio de governantes federais, e municipais visinhos nossos, QUE ATÉ HOJE NÂO FUNCIONA, alegam falta de materia prima, mas também não dão sequer alguma explicação para quem está na atividade, entrei em contato com a diretoria responsavel pela estrutura, recebi convite para nos associar uma vez que se trata de uma associação, solicitei dados referentes a planos de crescimento, estrategias para os proximos anos, e não responderam nada desde que fiz este pedido.

Conseguimos media de partos 2.2, ganho de peso de 260g/dia. Agora estamos com plano em mãos de encerrar a atividade, o nosso gargalo é o escoamento da produção até q esse frigorifico entre em funcionamento, se é que entrará algum dia.

Abraço sucesso à vocês!
Laudir.
LAUDIR NILSON ZILS

MARIPÁ - PARANÁ - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 26/05/2009

Sr.: Fábio

Utilizei estes dados como exemplo, os valores reais são superiores, se somados mão de obra e alimentação (paga). Faço tal referencia com base que, se produzirmos alimentação de qualidade podemos vende-la ao mercado ao invés de tratar aos nossos animais, produzir a alimentação é um negocio, vende-la para nós mesmos é giro interno de capital (o lucro fica nas nossa mãos) logo o preço da alimentação que produzimos para o nosso rebanho não é menor, só mantem as margens de lucro dentro da propriendade (em outra atividade).

Produzir a alimentação reduz seu custo no âmbito geral da Administração na propriedade, mas não na caprino ou ovinocultura.

Chego a estes valores, conciliando agricultura e caprinocultura, (embora devam ser gerenciadas independentemente), chegamos a estes valores misturando as atividades sem controle individual, ou seja, utilizando um caixa para as duas atividades, (forma incorreta de administrar) logo percebemos que existe incoerência nos dados, porque barateia os custos da alimentação sendo que na realidade eles devem seguir os valores de mercado.

Ocorreu uma falha minha ao concluir a carta do dia 20/05. Portanto não existe forma de baratear os custos da alimentação, sem tirar de outra atividade.

A alimentação das matrizes se baseia à campo, com complementação mineral e "trato no cocho" no fim do dia, quantia pouco significativa. Já os animais de engorda são submetidos ao regime de confinamento, mantendo alimentação baseada em farelo de aveia, ou trigo, quebrado de milho ou milho, pasto verde ou silagem, grama verde ou feno, (sendo das opções a primeira sempre de custo mais baixo) mais sal mineral.
LAUDIR NILSON ZILS

MARIPÁ - PARANÁ - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 24/05/2009

Sr. Nei.:

Creio que as capacidades administrativas nas propiedades são complexas tal como grandes industrias ou outro segmento economico, todos exigem atenções redobradas, inda mais em epocas economicamente sensíveis.

O que mais nos deixa indignado são falsas promessas, falsas informações, falsos mercados, e outras falsas informações passadas, sobre a destinação dos produtos, estamos indignados.
ALBERTO SANTANNA FILHO

SALVADOR - BAHIA - PRODUÇÃO DE CAPRINOS DE CORTE

EM 22/05/2009

Laudir,

Produzo caprinos e ovinos de corte, e na minha pouca experiência, você teria que reduzir esse tempo do nascimento ao frigorífico e aumentar a quantidade de cabeças para obter um resultado maior em escala.. Fazendo creep-feeding e o confinamento.No entanto para isso teria que achar um custo menor para essa alimentação.
Um abraço
Alberto
FÁBIO FERREIRA DE MORAES

SOBRAL - CEARÁ - PRODUÇÃO DE CAPRINOS DE CORTE

EM 22/05/2009

Primeiramente, parabenizar o autor do artigo Nei Antônio Kukla pelo excelente conteúdo e clareza.

Caro Laudir,
Parabéns, pela explicação e pelo conteúdo e domínio prático do assunto, Mas, gostaria de saber se estes cálculos são reais ?? Este valor da alimentação como vc chegou ?? Qual o tipo de alimentação q vc disponibiliza para os animais destinados ao corte e qual destinado para as matrizes ??
Aguardo sua resposta !!
NEI ANTONIO KUKLA

UNIÃO DA VITÓRIA - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 21/05/2009

Caro Laudir,

Como vc mesmo diz "a dança se faz bonita", na prática a atividade é muito mais complexa do que imaginamos, do que aprendemos nos bancos da Faculdade, porém, devido às margens de lucro estarem cada vez mais espremidas, devemos nos cercar de todas ferramentas que permitam termos controle da atividade. Aí, destaco mais uma vez a Administração, como maneira de prevermos resultados e tomadas de decisões.
LAUDIR NILSON ZILS

MARIPÁ - PARANÁ - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 20/05/2009

Trabalhamos na caprinocultura,

Sou formado em ADM, diferentemente da maioria passei minhas melhores experiencias na pecuaria, tentando reduzir gastos na caprinocultura, já com a ovinocultura o sistema é parecido mas não o mesmo.

Teoricamente nos foi repassado que cada matriz gera 1.8 crias ano. Logo 70 matrizes resultam 126 cabritos, que em 10 meses devem render, 1638Kg de carne, se otimizar os custos produtivos de alimentação para R$ 1,34 animal/mês no fim do periodo de 10 meses terei gasto R$ 1688,40 na alimentação dos filhotes (em 10 meses) e mais R$ 1125,60 na alimentação das matrizes (no ano todo).

Total de gastos produtivos com alimentação será de R$ 2814,00. portanto ponto de equilibrio na alimentação é de R$ 1,72 por kg de produto a ser vendido. Produzir a alimentação com a finalidade de reduzir a margem de gastos é uma boa saida para o produtor, os demais custos (mão-de-obra, medicamentos, maquinarios...) são sujeitos a fortes oscilações.

Na teoria vemos bons resultados, porèm a "dança se faz bonita" quando ocorrem abortos, cios repetitivos, doenças que levam a morte matrizes e animais jovens, reduzindo a margem positiva de animais para abate no final de cada ciclo.

Ai é q entra a capacidade administrativa de cada propriendade.
MilkPoint AgriPoint