FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

A agropecuária mundial tem sido eficiente no uso de nitrogênio?

POR AUGUSTO HAUBER GAMEIRO

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/07/2015

4 MIN DE LEITURA

4
0
O nitrogênio (N) é um elemento fundamental para a composição das espécies, a diversidade, a dinâmica e funcionamento de muitos ecossistemas terrestres, aquáticos e marinhos. Embora seja utilizado para atender às necessidades humanas, tais como a produção agrícola, as suas consequências ambientais são sérias e de longo prazo. O uso excessivo de fertilizantes pode contribuir para a contaminação dos solos e das águas com nitrato, com a acidificação do solo, e com a emissão de dióxido de carbono, óxido nitroso e de amônia para a atmosfera. A poluição por nitratos tem sido uma preocupação atual na Europa e América do Norte.

A importância do esterco como fonte de nutrientes para as culturas vegetais é reconhecida há milênios. A gestão adequada dos sistemas de produção pecuária mostra que as combinações de intensificação, melhor utilização dos dejetos animais na produção agrícola, o suprimento preciso de N e de outros elementos para se atender às exigências nutricionais dos animais, podem efetivamente reduzir os fluxos desses nutrientes, reduzindo os impactos ambientais.

Mas como tem sido a eficiência da agropecuária mundial - e da brasileira em específico - no uso de N?

Em artigo científico recentemente publicado, pesquisadores franceses e italianos procuraram responder à essa importante pergunta. Neste texto procurarei resumir as principais conclusões obtidas e alertar para a necessidade de que a agropecuária brasileira veja com mais cuidado a questão.

A primeira reflexão é que a maioria do N aplicado na agropecuária é perdida para o ambiente. No mínimo duas conclusões se podem tirar deste fato: i) estamos jogando dinheiro fora; e ii) estamos causando danos ambientais.

Os pesquisadores Luis Lassaletta e Gilles Billen, junto com seus colaboradores, analisaram criteriosamente a eficiência no uso do N em 124 país no período de 50 anos (1961 a 2009), considerando as 178 culturas vegetais mais importantes (Lassaletta et al., 2014). Mais especificamente, eles estudaram a relação entre a produtividade da agricultura (chamemos de “P”) e a quantidade de N utilizada para obtê-la (chamemos de “N”). A produtividade foi expressa em quantidade de N na produção (quilo de N por hectare e por ano). Assim, obteve-se um indicador chamado “Eficiência no Uso do Nitrogênio” (EUN) originado pela relação entre P e N. Assim: EUN = P/N.

Pode parecer um pouco complicado, mas é relativamente fácil de entender: quanto maior a eficiência no uso do nitrogênio, significa que mais produção foi obtida para uma mesma quantidade de nitrogênio utilizada (↑EUN). Por outro lado, se a eficiência no uso do N for baixa significa que uma quantidade maior de N teve de ser utilizada para se conseguir a mesma produção (↓EUN).

Para o cálculo da quantidade de N, foram consideradas as quatro fontes mais importantes: esterco animal, fertilizantes sintéticos, fixação simbiótica e disposição da atmosfera. A fonte principal das informações foi o banco de dados da FAO (FAOStat). Diversos critérios e coeficientes técnicos foram definidos para as estimavas. Detalhes metodológicos podem ser obtidos no artigo, que está publicamente disponível (open access).

Os resultados mostram que a evolução da eficiência no uso do N foi distinta para os diferentes países. Dessa forma, os pesquisadores organizaram os países em quatro principais grupos, que eles chamaram de “tipos”. Procurei organizar em um único quadro, o perfil desses países, alguns exemplos e a explicação para o comportamento observado.

Quadro: comportamento histórico da relação entre produtividade agrícola (veja no eixo vertical) e a utilização de nitrogênio (veja no eixo horizontal).

Fonte: elaborado a partir de Lassaletta et al. (2014).

Nota: os gráficos são reproduções dos originais; as cores dos pontos representam o tempo, seguindo a escala:



Considerando o mundo como um todo, o estudo mostrou que há uma queda na EUN de 1961 até o início dos anos 80. Em 1961 a eficiência no uso do N era de, aproximadamente, 68%, tendo caído para 45% em 1980. De 1980 até os dias atuais, houve estabilização na EUN, com uma média mundial em torno de 47%.

Além da eficiência em si, a pesquisa procurou mostrar a origem do N utilizado na agricultura. E neste ponto os resultados são ainda menos animadores, uma vez que a fonte que vem crescendo mais rapidamente é a dos fertilizantes sintéticos, que supostamente causam os maiores impactos ambientais (especialmente por serem de origem não-renovável).

Os autores ainda concluem que, apesar do volume de esterco animal gerado mundialmente ser bastante expressivo, essa fonte de N não tem sido utilizada eficientemente, havendo enorme desperdício da mesma, que não chega nas lavouras como poderia. Em outras palavras, a adoção de sistemas integrados de produção, entre animais e vegetais, pode ser um dos melhores caminhos para elevar essa eficiência. Nesse mesmo sentido, priorizar a utilização do N de fontes simbióticas (como a produção de leguminosas) é outro caminho com grande potencial a ser explorado.

Referências:

Lassaletta, L., Billen, G.; Grizzetti, B.; Anglade, J.; Garnier, J. 50 year trends in nitrogen use efficiency of world cropping systems: the relationship between yield and nitrogen input to cropland. Environmental Research Letters, v.9, 9pp, 2014.

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ABRAHÃO GOMES DE HOLANDA

CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL

EM 13/08/2015

Esse tema é fascinante,até as primeira chuvas de verão descarrega nitrogênio na terra.

Há mais leguminosas nativa do que melhoradas nem mesmo os campos de soja ultrapassa.Mas o final de tudo isso é a busca de proteína, o primeiro precursor da  vida

desde dos primórdios.O curioso é que a fome reina no mundo e ninguém da jeito.

A soja fornece mais energia do que proteína através do óleo.O homem  destroe o capim

do boi e por isso é obrigado e lhe dá a soja com seu farelo.Mas o boi toma do porco  e do frango .      Se aumentar o capim do boi  e melhorar a qualidade melhora para todos

nos.Tal o destino do nitrogênio possa permear por aí.Caros colegas desculpem pela

a linguagem filosófica.Mas peço-lhes refletir um que não estou caducando.



Grato,Abrahão
AUGUSTO HAUBER GAMEIRO

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 11/08/2015

Caros Colegas Abrahão e Kátia, agradeço seus  comentários e colocações. Sem dúvida ainda temos que evoluir nossas pesquisas e tecnologias visando sistemas mais integrados: solo - planta - animal - ambiente. Confesso que isso me preocupa, porque nossa Ciência Animal no Brasil ainda foca primordialmente no animal, e visando quantidade (produtividade). Se assim continuarmos, não evoluiremos como precisaríamos para lidar com questões maiores, como o ambiente, por exemplo.
KÁTIA FELTRE

PIRACICABA - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 27/07/2015

Um dado interessante é que as taxas de fixação de N podem variar de 70 a 200 kg/ha/ano, dependendo da cultivar de leguminosa utilizada, representando considerável economia de recursos financeiros. Uma das espécies de leguminosas utilizada no sistema consorciado é o amendoim forrageiro (Arachis pintoi) o qual se adapta bem às condições de clima tropical, sendo indicado seu uso com diversas gramíneas (Brachiaria, Panicum, Cynodon, etc). Complementando a opinião do colega Abrahão Gomes, de fato, o maior gargalo do uso do consórcio entre gramíneas e leguminosas é o manejo simultâneo das forrageiras. As diferenças morfo e fisiológicas dificultam o avanço no uso dessa técnica. Mas vale lembrar que muitas das informações obtidas nas pesquisas nem sempre alcançam os pecuaristas e muitos ainda não consideram a pastagem como uma cultura semelhante à soja ou milho, por exemplo, que necessita de determinado manejo todos os anos. Com certeza faz-se necessário o uso de práticas de manejo (incluindo o uso de esterco de animais) não só para reduzir o uso de fertilizantes sintéticos, mas para otimizar a recuperação de áreas de pastagens que se encontram em degradação (praticamente 50% da área de pastagem nacional) e a produção animal como um todo.
ABRAHÃO GOMES DE HOLANDA

CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL

EM 27/07/2015

Comenta-se que a utilização das leguminosas em consorcio com as gramíneas tem sido a forma mais eficiente e econômica para a manter o equilíbrio ambiental entre solo planta animal através do fenômeno simbiótico.

A pesquisa em geral tem desenvolvido diversas alternativas na escolha de cultivares adequados para o consorcio. Entretanto o manejo de pastagem é o gargalo para a manutenção duradoura.O manejo só das gramíneas já é difícil imagine das duas forrageiras.São poucas as propriedades que adotam um manejo correto das pastagem.

Tentei por muitos anos estabelecer o uso das leguminosas em consorcio com as gramíneas. Confesso que as dificuldade encontradas foi a preferencia pelo bovino simultaneamente. Outo fator agravante é que estas duas especies forrageiras tem características edafológicas diferentes.

Na minha opinião deve- se adotar urgentemente práticas adequadas de manejo das pastagens  de forma abrangente pelo brasil à fora ,preservação das nascentes,combate às erosões ,preservar as florestas com plano de manejo intenso .São práticas básicas que envolve campanhas de educação   persistentes e cada um de nós fazer a nossa parte. Aproveitei este espaço para emitir essa opinião. Quero servir ao meu pais apesar dos 72 anos de vida lidando com a terra.
MilkPoint AgriPoint