ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Requeijão: tecnologias de fabricação da massa básica - Parte 1

VÁRIOS AUTORES

INDÚSTRIA

EM 30/09/2016

1
0
De acordo com o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade do Requeijão ou Requesón (Portaria 359), entende-se por requeijão o produto obtido por fusão de uma massa coalhada, dessorada e lavada, obtida por coagulação ácida e/ou enzimática do leite com adição de creme de leite e/ou manteiga e/ou gordura anidra de leite ou butteroil.

O produto poderá ser adicionado de condimentos, especiarias e/ou outras substâncias alimentícias. A denominação requeijão está reservada ao produto no qual a base láctea não tenha gordura e/ou proteína de origem não láctea. O mesmo regulamento classifica os requeijões em três categorias: requeijão, requeijão cremoso e requeijão de manteiga (Brasil, 1997).

requeijão - lácteos - leite

Como especificado na portaria anteriormente citada, a massa fresca de queijo (massa básica) utilizada na fabricação industrial de requeijão pode ser obtida por coagulação ácida e/ou enzimática do leite. No processo de coagulação ácida, a massa pode ser obtida por fermentação láctica ou por acidificação direta, em que se adiciona ácido láctico ao leite aquecido. No caso da coagulação enzimática, a massa é obtida pela adição de renina. As massas obtidas em cada caso apresentarão características diferentes, o que irá influenciar as etapas posteriores do processamento.

Nesta edição sobre requeijão, será abordado o processo de obtenção de massa básica por fermentação láctica do leite. Os demais processos de obtenção da massa básica (por acidificação direta e por coagulação enzimática do leite) serão comentados na próxima edição.

Obtenção de massa básica para elaboração de requeijão por meio do processo de coagulação ácida do leite por fermentação láctica

O leite possui em sua composição 2 grandes grupos de proteínas: as caseínas, que representam cerca de 80% do total das proteínas, e as soroproteínas. No pH normal do leite, que é próximo da neutralidade, as caseínas apresentam um excesso de cargas negativas e em consequência disso há uma forte repulsão entre elas. Porém, quando o pH do meio em que se encontram é reduzido, se aproximando do seu ponto isoelétrico (ao redor de 4,6), as cargas elétricas das partículas de caseína neutralizam-se, permitindo assim que as referidas partículas se unam formando o coágulo ou gel. Assim, a coagulação ácida do leite ocorre quando o mesmo tem sua acidez elevada e seu pH reduzido até o ponto de precipitação da caseína.

No caso da coagulação ácida por fermentação láctica, a acidificação do leite pasteurizado ocorre pela ação de uma cultura mesófíla acidificante, composta normalmente por Lactococcus lactis ssp lactis e Lactococcus lactis ssp cremoris. Esta cultura utiliza a lactose (principal açúcar do leite) transformando-o em ácido láctico, acidificando o leite e diminuindo o seu pH.

Neste caso, o coágulo resultante se apresentará bastante frágil desde o início, dispersando-se facilmente em partículas finamente subdivididas. Neste processo, o ponto final da coagulação é identificado, normalmente, pela verificação visual ou pela acidez, a qual deve estar em torno de 60 a 70°C e pH 4,5. Considerando-se que essa acidez do coágulo terá que ser diminuída para que a massa possa ser fundida normalmente, deve-se ter o cuidado de interromper a incubação tão logo se verifique a coagulação, evitando assim que a acidez continue aumentando. Daí a importância de padronizar-se a porcentagem de inóculo, a temperatura e o tempo de incubação, a fim de obter-se a coagulação o mais próximo possível do momento de dar início ao processo de fusão da massa para fabricação do requeijão.

Logo após ter-se constatado que já houve a formação do gel, o coágulo resultante deve ser subdividido por meio de corte ou de quebra por agitação ou por injeção direta de vapor, o que neste caso, além de quebrar o coágulo, já inicia o processo de aquecimento. Seja qual for o processo adotado para o fracionamento do coágulo, logo em seguida faz-se o aquecimento com agitação constante.

Este coágulo adequadamente fracionado sofre dessoragem, dando origem a um precipitado firme e ressecado, porém quebradiço, devido basicamente à desmineralização que ocorre no coágulo de caseína com a diminuição do valor do pH. Tal desmineralização é decorrente da remoção do cálcio da rede proteica pelo ácido produzido.

O aquecimento é feito rapidamente e a temperatura final se situa em torno de 50°C. Este tratamento promoverá interrupção da fermentação e uma dessora intensa da massa, dando origem a um soro límpido e esverdeado. Ao ser atingido este estágio, deixa-se a massa decantar e, em seguida, procede-se a dessora total.

Logo após a dessora, o coágulo ácido obtido por fermentação láctica apresenta pH em torno de 4,3-4,6. Porém, para que a fusão se processe de uma forma homogênea, dando origem à cremosidade típica do requeijão, é necessário que o pH da massa seja elevado para cerca de 5,2 a 5,5, o que pode ser obtido por meio da lavagem da massa.

Para as lavagens, adiciona-se água filtrada sobre a massa logo após a separação do soro. O volume de água a ser adicionado pode variar de acordo com a técnica, sendo que o emprego de um volume de água equivalente ao do soro extraído reduz o número de lavagens para cerca de duas. Nessas lavagens, a massa deve ser fragmentada para facilitar a extração da acidez e procede-se também a um aquecimento com agitação constante, até cerca de 50°C, como no caso da dessora inicial.

Após as duas lavagens com água filtrada, realiza-se a desacidificação final da massa adicionando-se leite fresco desnatado, ou mesmo leite integral, sobre a massa, na proporção de 25 a 30 % em relação ao volume inicial de leite utilizado na coagulação. O leite adicionado deve ser bem misturado aos grãos de massa, seguido de um aquecimento com agitação, semelhante ao realizado durante as lavagens, só que desta vez o aquecimento deverá atingir cerca de 60ºC. Esta temperatura é necessária para que ocorra a coagulação do leite adicionado e, após esta coagulação, o soro resultante deve ser separado e a massa prensada o mais eficientemente possível.

O leite utilizado nessa última fase da desacidificação exerce um duplo papel. O mais evidente é a neutralização da acidez, elevando o pH da massa para cerca de 5,3 a 5,7, que é a faixa normalmente necessária para que ocorra a fusão. O outro efeito consiste na produção de uma nova porção de coágulo que é incorporada à massa, aumentado assim o rendimento do processo.

Esse coágulo incorporado, com a utilização do leite e de aquecimento, é bem menos ácido e possui, portanto, um equilíbrio salino diferente com relação à cremosidade do requeijão. Assim, essa nova porção de massa obtida não precisará ser submetida a lavagens. Em resumo, a tecnologia de obtenção de massa básica por fermentação láctica pode ser observada esquematicamente, na Figura 1.

Figura 1: Fluxograma genérico de obtenção da massa por fermentação láctica

Esta tecnologia, juntamente com a de obtenção de massa básica por acidificação direta, que será detalhada na próxima edição, são as mais utilizadas para produção industrial de requeijão.
 

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

ARIENE GIMENES FERNANDES VAN DENDER

Pesquisadora do Centro de Tecnologia de Laticínios - Tecnolat do Instituto de Tecnologia de Alimentos - ITAL

PATRÍCIA BLUMER ZACARCHENCO

Pesquisadora do Centro de Tecnologia de Laticínios - Tecnolat do Instituto de Tecnologia de Alimentos - ITAL

ADRIANA TORRES SILVA E ALVES

Pesquisadora do Centro de Tecnologia de Laticínios - Tecnolat do Instituto de Tecnologia de Alimentos - ITAL

1

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOAQUIM

SILVIANÓPOLIS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 23/11/2016

Quantos dias  dura massa ?qual a validade?