ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Plasma a frio na qualidade e segurança de leite e derivados

INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 27/12/2016

6 MIN DE LEITURA

2
1
Autores do artigo:

Nathália M. Coutinho¹, Marcello R. Silveira¹, Sueli Rodrigues², Adriano G. Cruz³

1 - Universidade Federal Fluminense (UFF), Departamento de Tecnologia de Alimentos.
2 - Universidade Federal do Ceará (UFCE), Departamento de Tecnologia de Alimentos.
3 - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), Departamento de Alimentos.

O leite é um alimento rico em nutrientes e contém proteínas, gorduras, carboidratos, vitaminas e sais minerais, tornando-se um substrato ideal para a proliferação de micro-organismos e consequentemente sua deterioração. Desse modo, métodos tradicionais como a pasteurização e o tratamento UHT (“ultra-high temperature”) são utilizados na indústria de laticínios para a eliminação de micro-organismos patogênicos e/ou deteriorantes. Tendo em vista as inevitáveis alterações nas características nutricionais, funcionais e sensoriais dos produtos lácteos advindas pelo tratamento térmico, novas tecnologias vêm sendo estudadas para aplicação no processamento de leite e derivados.

O plasma a frio é uma tecnologia emergente de processamento não-térmico de alimentos, sendo considerado o quarto estado da matéria. É definido como um gás ionizado constituído por partículas que incluem fótons, elétrons, íons positivos e negativos, átomos, radicais livres e moléculas excitadas ou não excitadas, apresentando múltiplas interações. Sua carga média total é muito pequena, podendo ser considerada macroscopicamente neutra.

Por meio do aquecimento do gás carreador, através de um campo elétrico, o plasma é gerado (por pressão reduzida, pressão atmosférica ou temperatura ambiente), tornando este processo prático, barato e adequado para a descontaminação de produtos, ganhando, portanto, destaque na produção de leites e derivados. A composição do gás carreador é o próprio ar ou gases como oxigênio, nitrogênio, dióxido de carbono, argônio, hélio ou uma mistura de gases.

Os tipos de plasma não-térmico mais comuns à pressão atmosférica são: jato de plasma, descarga em barreira dielétrica, descarga corona e descarga em micro-ondas. O jato de plasma configura-se na produção de pequenas "chamas de plasma" que são tipicamente geradas na faixa de radiofrequência. Na descarga em barreira dielétrica (DBD), o plasma é gerado entre dois eletrodos que são separados por uma barreira dielétrica (isolante que, sob a atuação de um campo elétrico exterior acima do limite de sua rigidez dielétrica, permite o fluxo da corrente elétrica). A descarga corona origina-se próxima ao eletrodo afunilado, onde o campo elétrico é grande o suficiente para acelerar os elétrons produzidos aleatoriamente ao nível de energia de ionização dos átomos ou moléculas do gás circundante.

Diferentemente dos tipos já citados, as descargas de micro-ondas são emitidas por um magnetron, geralmente a 2,45 GHz, e ao chegarem à câmara de processo, alcança elétrons presentes no gás que absorvem as micro-ondas, levando a um aumento da energia cinética e consequentemente as reações de ionização por colisões inelásticas.

A composição química do plasma gerado é geralmente dividida em três grupos: fótons ultravioletas (UV), partículas carregadas e espécies reativas (como superóxido, radicais hidroxilo, óxido nítrico, ozônio e outros). Entre essas substâncias, as espécies reativas ao oxigênio (ROS) produzidas pelo plasma têm sido amplamente relatadas como tendo um papel crítico na inativação dos micro-organismos.

As ROS produzidas pelo plasma a frio contêm radicais livres, altamente reativos, que podem interagir com a superfície do alimento, sendo aplicável na inativação de uma ampla gama de micro-organismos, incluindo esporos e vírus e de enzimas, além de serem utilizadas como alternativa para a esterilização de superfícies. A ação das ROS no micro-organismo resulta na oxidação na superfície externa das células microbianas, agindo sobre a dupla camada de ácidos graxos insaturados da membrana celular, nos aminoácidos e ácidos nucleicos de células e esporos, levando à morte celular.

A eficiência da inativação microbiana do plasma a frio nos produtos lácteos depende das características do plasma (composição e pressão, vazão ou fluxo do gás), a potência utilizada, o tempo de exposição e a distância do micro-organismo em relação à descarga emitida. Deve ser levado em consideração ainda a carga inicial microbiana presente no produto lácteo e o tipo de micro-organismo. Em leite cru observaram a redução significativa de 54% de Escherichia coli após o tratamento de plasma a frio por descarga corona (9 kV), utilizando ar como gás, por 3 minutos.

Em queijo, podemos observar após 2 minutos de exposição ao plasma a frio (DBD, utilizando gás hélio) a 75, 100 e 125 W, que as células viáveis de Listeria monocytogenes foram reduzidas em 1,70, 2,78 e 5,82 log, respectivamente. E mais do que 8 log de redução a 150 W. Estudo realizado com queijo cheddar relata a diminuição de E. coli O157:H7, Salmonella Typhimurium e L. monocytogenes após a exposição ao plasma a frio DBD, com gás atmosférico contendo oxigênio e nitrogênio, durante 10 minutos na ordem de 3,2 log, 2,1 log, 5,8 log, respectivamente.

As ações do plasma sobre as enzimas endógenas do leite são semelhantes com o que ocorrem nos micro-organismos. As enzimas são inativadas através da reação de oxidação sobre os peptídeos que muda a conformação da proteína, diminuindo, portanto a atividade enzimática. Um estudo recente avaliou o efeito do plasma a frio na atividade residual e estrutural da fosfatase alcalina, enzima comumente utilizada para avaliar a ocorrência da pasteurização do leite. O tratamento do plasma DBD foi realizado a 40, 50 e 60 kV em ar atmosférico, variando de 15 segundos a 5 minutos, à temperatura ambiente. Os resultados demonstram que independentemente da tensão utilizada, após 3 minutos de tratamento, a atividade da enzima foi inferior a 10%.

Por outro lado, como qualquer tecnologia não térmica, existem algumas limitações no processamento de plasma a frio em leite, pois as espécies ativas formadas durante a descarga do plasma podem iniciar a peroxidação lipídica e produzir hidroperóxido, que pode ser convertido em produtos de oxidação secundária tais como, aldeídos. Em um estudo sobre as mudanças bioquímicas do leite após o tratamento de plasma a frio, relataram o aumento de 7,30 µg para 20,79 µg do teor de aldeído, após 20 minutos de exposição a descarga de corona plasmática (9 kV, utilizando ar como gás).

De forma geral, novas pesquisas na avaliação dos efeitos do plasma a frio em relação à qualidade do leite e derivados devem ser realizadas. Entretanto, pode-se considerar uma tecnologia com potencial de ser aplicado, tendo em vista eficácia dos resultados disponíveis. Nesse contexto, a aplicação do plasma a frio se constitui como uma alternativa possível ao tratamento térmico convencional que é comumente utilizado nas unidades processadoras de produtos lácteos.

Referências bibliográficas

Cruz, A.G., Zacarchenco, P.B., Oliveira, C.A.F., Corassin, C.H. (2016). Processamento de Leites de Consumo. Elsevier: Rio de Janeiro. 355 pp.

Gurol, C., Ekinci, F. Y., Aslan, N., & Korachi, M. (2012). Low temperature plasma for decontamination of E. coli in milk. International Journal of Food Microbiology, v. 157, 1-5.

Korachi, M., Ozen, F., Aslan, N., Vannini, L., Guerzoni, M. E., Gottardi, D., & Ekinci, F. Y. (2015). Biochemical changes to milk following treatment by a novel, cold atmospheric plasma system. International Dairy Journal, 42, 64-69.

Niemira, B. A, & Gutsol, A. (2010). Nonthermal plasma as a novel food processing technology. In: Nonthermal Processing Technologies for Food, pp. 271-88.

Niemira, B. A. (2012). Cold plasma decontamination of foods. Annual Review of Food Science and Technology, v. 3, 125-142.

Schlüter, O., Ehlbeck, J., Hertel, C., Habermeyer, M., Roth, A., Engel, K. H., Holzhauser, T., Knorr, D., & Eisenbrand, G. (2013). Opinion on the use of plasma processes for treatment of foods. Molecular Nutrition & Food Research, v. 57, 920-927.

Segat, A., Misra, N. N., Cullen, P. J., & Innocente, N. (2016). Effect of atmospheric pressure cold plasma (ACP) on activity and structure of alkaline phosphatase. Food and Bioproducts Processing, 98, 181-188.

Song, H. P., Kim, B., Choe, J. H., Jung, S., Moon, S. Y., Choe, W., & Jo, C. (2009). Evaluation of atmospheric pressure plasma to improve the safety of sliced cheese and ham inoculated by 3-strain cocktail Listeria monocytogenes. Food Microbiology, 26, 432-436.

Surowsky, B., Schlüter, O., & Knorr, D. (2015). Interactions of non-thermal atmospheric pressure plasma with solid and liquid food systems: a review. Food Engineering Reviews, 7, 82-108.

Thirumdas, R., Sarangapani, C., & Annapure, U. S. (2015). Cold Plasma: A novel non-thermal technology for food processing. Food Biophysics, 10, 1-11.

Yong, H. I., Kim, H. J., Park, S., Kim, K., Choe, W., Yoo, S. J., & Jo, C. (2015). Pathogen inactivation and quality changes in sliced cheddar cheese treated using flexible thin-layer dielectric barrier discharge plasma. Food Research International, 69, 57-63.



 

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

STELLA SOARES

NOVA FRIBURGO - RIO DE JANEIRO - PESQUISA/ENSINO

EM 06/01/2017

Artigo muito bom!

Parabéns aos envolvidos
SAULO SILVA

EM 06/01/2017

Muito interessante! Parabens
MilkPoint AgriPoint