FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O transporte do leite cru no Brasil e nos Estados Unidos da América - Há necessidade de legislação específica? - Parte 2

POR ANDREA TROLLER PINTO

INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 03/10/2014

2 MIN DE LEITURA

2
0
Dando seguimento a reflexão trazida no mês passado, hoje serão tratados os aspectos relacionados a higienização dos veículos transportadores de leite e dos materiais de coleta.

A higienização dos veículos transportadores, de praxe, é feita nas dependências industriais. Ou seja, o caminhão de leite sai da planta pronto para proceder uma nova coleta de leite nas propriedades. O procedimento de higienização prevê a execução de tarefas básicas, tais como a drenagem e enxágue para retirada de resíduos, uso de detergentes alcalino e ácido e água a temperatura elevada, enxágue, procedimento de sanitização (e enxágue final se for o caso). No caso de caminhões para grandes volumes (reservatórios grandes) recomenda-se a limpeza CIP (cleaning in place), portanto automatizada.

A legislação norte-americana delega a responsabilidade de higienização dos tanques de transporte para a indústria de laticínios, o transportador ou ainda empresas especializadas na higienização deste tipo de veículo, desde que sejam atendidos os requisitos de higienização previstos, tais como o uso correto de detergentes quanto a dosagem, tempo de circulação e temperatura de aplicação. Do contrário, no Brasil há a previsão, apenas de higienização do veículo após a descarga do leite, sem delegação de responsabilidades ou definição dos requisitos a serem atendidos. Além disto, aquela prevê o controle através de registros das limpezas, entre outros.

Pode-se concluir, portanto, que, após a higienização de um caminhão norte-americano, o mesmo estará pronto para ser utilizado novamente, se esta foi realizada de acordo com os padrões previstos. Enquanto que, no Brasil, não fica claro na legislação, de quem é a responsabilidade e como deve ser procedida a limpeza.

Quando se trata dos cuidados durante a coleta de leite nas propriedades, ainda há maiores diferenças, pois enquanto que o regramento sobre coleta a granel, de amostras e armazenamento dos materiais de coleta, limpeza dos mangotes, procedimentos de coleta de amostras é rigoroso e definido, aqui no Brasil a legislação é superficial e fala sobre a necessidade de treinamento, apenas. Nos EUA, está previsto o acompanhamento e monitoramento das coletas de leite, para avaliação do transportador. Outro item importante previsto na legislação americana é a necessidade de calibração e aferição de um termômetro que será usado pelo transportador e este poderá recolher apenas o leite armazenado a, no máximo, 7,2°C, ou seja, não se admite a verificação de temperatura no registrador do resfriador de leite.

Além disto, a coleta das amostras para avaliação da qualidade é definida com clareza nos EUA, estando prevista a responsabilidade pela guarda e integridade das amostras ao transportador.

Vê-se claramente que, ao mesmo tempo em que são cobrados diversos comportamentos e condições do transportador, da mesma forma é dado, a este, o status de um profissional que integra o sistema produtivo e, por isso, a responsabilidade pela qualidade do leite.

No Brasil, em especial, aqui no Rio Grande do Sul, estão sendo concentrados esforços para garantir o transporte seguro do leite, inclusive a coleta e amostragens automáticas. Estas tecnologias são adequadas para padronizar os procedimentos e ainda permitem o acompanhamento dos veículos na rota do leite. Entretanto, sem a adequação das operações delegadas a este elo da cadeia produtiva, não chegaremos ao objetivo desejado da melhoria/manutenção da qualidade da matéria prima. Os questionamentos são diversos, entre eles o legislar ou não sobre o transporte do leite cru. Implementando-se ou não regras para a atividade, caberá a indústria garantir que a sua matéria prima foi recolhida nas propriedades, dentro dos rigorosos padrões de controle e higiene.
 

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ANDREA TROLLER PINTO

PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL - PESQUISA/ENSINO

EM 08/10/2014

Prezada Patricia, obrigada pelo teu comentário. Na verdade temos que refletir profundamente sobre o tema regulamentação do transportador. este é o caso. Quanto mais soubermos as experiências e exigências dos outros países, melhor poderemos trabalhar. E que venha uma regulamentação quanto às competências e obrigações deste elo da cadeia produtiva.
PATRICIA RADE

PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 07/10/2014

Nem tem muito o que comentar, tem é que regulamentar logo!
MilkPoint AgriPoint