ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Oportunidades de melhorias na produção leiteira: trabalho em propriedades familiares de Ituiutaba e região

ESPAÇO ABERTO

EM 06/11/2015

6 MIN DE LEITURA

1
0
No Brasil a diferença entre produção e consumo tende a se agravar pela carência de investimentos na qualidade do leite e em melhoria na produtividade, além de problemas no processo de atendimento da demanda de produtos lácteos e a interação entre a cadeia de suprimentos, fornecedores, indústria (laticínio), distribuidor e varejo, de forma a produzir o volume necessário no tempo e local certo.

Nesse contexto, está sendo realizado na região de Ituiutaba/MG, um projeto de extensão – PEIC (Projeto de Extensão Integração UFU/Comunidade), como apoio aos produtores rurais na busca de melhorias na gestão da ordenha, tendo como participantes alunos do curso de engenharia de produção e dois médicos veterinários da região como voluntários. O projeto auxilia atualmente dois produtores familiares para a padronização dos processos de produção de leite.

Ao longo das negociações e implantação de procedimentos de Boas Práticas na Ordenha, foram relacionadas três oportunidades de melhorias: Prevenção a Tripanossomíase, Melhoria no volume de água consumida pelo rebanho e Limpeza dos equipamentos de desinfecção dos tetos no pré e pós ordenha.

O MilkPoint entrevistou Cynara Mendonça Moreira Tinoco, professora do curso de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e coordenadora do projeto. Abaixo, leia a entrevista na íntegra:

MilkPoint - Fale sobre a ideia de ser realizado pelo PEIC (Projeto de Extensão Integração UFU/Comunidade) um projeto com os produtores rurais de Ituiutaba e região na busca de melhorias na gestão de ordenha. Houve uma demanda ou um fator especial para que o projeto entrasse em ação?

Cynara: “O PEIC (projeto de extensão UFU/Comunidade) busca a integração da Academia com a sociedade. Sou professora da Engenharia de Produção/UFU/Ituiutaba e trabalho com ferramentas de Gestão da Qualidade para melhoria de processos, e estou fazendo doutorado em otimização logística na Cadeia de Lácteos com foco na produção de queijo. Para a indústria do queijo, a matéria prima leite precisa chegar em ótimas condições tanto quanto a indicadores de qualidade, CPP (Contagem Padrão em Placas) e CCS (Contagem de Células Somáticas), como em relação ao percentual de proteína e gordura. O projeto, com o início em jan/2015, tem o intuito de mapear essa cadeia, os procedimentos adotados e as necessidades de melhorias, como um começo para a mudança de cultura do agronegócio do leite”.

MilkPoint - Quais foram os principais procedimentos relacionados às oportunidades de melhorias?

Cynara: “Foram apresentadas quatro propostas de alterações de processo para as propriedades:

a) Realizar o pré e pós dipping com o intuito de obter melhor eficiência no controle de mastite, preenchendo todo o teto com o produto do pré dipping por 30 segundos, secando com toalha de papel descartável. Após a ordenha, efetuar pós dipping, com aplicação do produto por 30 segundos, com limpeza de todos os equipamentos posteriormente. A Figura 1 apresenta a aplicação incorreta do pós dipping (tintura amarela), devendo o mesmo preencher todo o teto e neste caso ocupou apenas metade.

Figura 1
- Aplicação incorreta do pós dipping.



b) Aplicação de injeção nas vacas com seringas individualizadas, como prevenção a tripanossomíase bem como a transmissão de outras doenças como a mastite. Como exemplo, para a aplicação de ocitocina para ejeção do leite, quando se utiliza a mesma seringa em todas as vacas, foi sugerida a compra do conjunto (seringa e agulha) descartável ou que permitam esterilização.

c) Estudo da rentabilidade dos produtos utilizados para limpeza dos equipamentos (custo do produto x consumo), bem como a comparação do resultado econômico com eficiência do uso, redução ou eliminação de colônias nas paredes das tubulações da ordenhadeira e no tanque de refrigeração do leite.

d) Utilização da caneca do fundo preto. A retirada dos três primeiros jatos de leite de cada teto das vacas para verificação de mastite clínica gera como benefício a redução das bactérias encontradas no leite. É uma forma de eliminar o leite mais contaminado, pois, este leite "limpa" os canais dos tetos (MAROSTEGA, 2013).


MilkPoint - Os produtores se mostraram abertos para adotar as melhorias no processo de ordenha e consequente qualidade do leite produzido? Qual foi o principal desafio do grupo de pesquisa ao longo do projeto?

Cynara – “Quando começamos a interagir com os produtores, apresentamos as melhorias com o intuito de facilitar o trabalho, propondo aumento na produtividade e redução dos custos para que eles aceitassem a nossa proposta, evidenciando com dados estatísticos a importância do projeto para a cadeia como um todo. Os produtores se mostraram abertos, mas com dificuldades na alteração dos procedimentos. Foram necessários 6 meses de estudo e acompanhamento, para que os procedimentos sugeridos pelo grupo e pelos produtores fossem implementados. Após a fase de implementação a equipe realiza semanalmente observações e o controle dos padrões estabelecidos como melhoria contínua do processo”.

MilkPoint - Com a adoção das Boas Práticas na Ordenha, os produtores notaram algumas vantagens na produção como um todo? Como por exemplo: qualidade do produto final, melhor aceitação no mercado, valor de venda, entre outros.

Cynara – “A adoção das Boas Práticas na Ordenha gerou nas propriedades redução dos indicadores CPP e CCS em 90% e 84% respectivamente, além disso, aumentou em 5% o índice de proteína e gordura resultando na melhoria da qualidade e rendimento do leite utilizado pelas indústrias na produção de derivados de leite. Ademais, o projeto proporcionou aos produtores conhecimento de fatores que possam interferir na qualidade e rendimento do leite e quais medidas devem ser tomadas para prevenir e corrigir. Os produtores foram concientizados dos procedimentos necessários quanto as Boas Práticas na Ordenha e que o processo de ordenha deve ter um maior controle, como a organização dos lotes de ordenha e a manutenção das áreas de descanso, de forma a evitar doenças e sua proliferação.

Figura 2 - Local de descanso com lama e fezes.



Como sugestão, também mostramos aos produtores os custos adicionais por não melhorarem o processo de ordenha, e os resultados financeiros pela melhoria na qualidade do leite, como redução dos indicadores de CPP e CSS, aumento do índice de proteína e gordura, além de mostrar que se o produto possui qualidade, aumenta o poder de venda do produtor”.

MilkPoint - Quantos produtores foram assistidos pelo projeto e qual foi/será a duração do mesmo?

Cynara – “O projeto auxilia atualmente dois produtores familiares para a padronização dos processos de produção de leite desde fevereiro de 2015. Agora estamos avaliando a expansão dos procedimentos das boas práticas na ordenha em um assentamento rural, para que possamos aplicar os conhecimentos e os padrões desenvolvidos de acordo com a realidade dos mesmos”.

MilkPoint - Qual foi o montante investido para a aplicação das Boas Práticas na Ordenha?

Cynara – “A UFU contribui com bolsa para 2 componentes do projeto e um prestador de serviço, no caso, o veterinário, que acompanha as mudanças estabelecidas nos procedimentos. E o restante dos gastos para visitas as propriedades e reuniões com outros apoiadores do projeto são realizadas como voluntariado”.

MilkPoint - Deixem um recado para os produtores de leite que estão em busca de melhorias na sua produção.

Cynara – “A melhoria da qualidade na produção gera maior confiabilidade do produto, melhor produtividade e ganho financeiro. Um rebanho saudável resulta em rendimentos positivos para os produtores, além de gerar menor custo no processo e melhorias na gestão da fazenda, criando vantagem competitiva. Os produtores devem estar atentos as Boas Práticas de Ordenha para definir e executar um conjunto de planos operacionais de modo a maximizar os resultados do negócio e melhor atender os clientes. Lembre-se: um produto de qualidade é fundamental para melhorar o seu poder de venda”.

Ficou com alguma dúvida sobre o projeto? Deixe um comentário no box abaixo:
 

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

VAGNER ALVES GUIMARÃES

VOTUPORANGA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/11/2015

É um caminho sem volta, atividade leiteira passa por uma grande transformação, aquele produtor rural que tem produção pequena , média até mesmo o grande produtor, estão enfadados a desaparecer se não intensificarem o uso de boas práticas na produção leiteira,com trabalho de extensão rural e atuando como instrutor SENAR, vejo que é possível produzir leite com qualidade assegurada sem grandes investimentos.

Capacitação da mão - de- obra.

Mudança de atitude, enxergar sua propriedade com profissionalismo.
MilkPoint AgriPoint