ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Impacto do TTP no Brasil será profundo e exige uma reação

POR MARCOS SAWAYA JANK

ESPAÇO ABERTO

EM 07/10/2015

2 MIN DE LEITURA

4
0
*Marcos Sawaya Jank, especialista em questões globais do agronegócio, para o jornal Folha de São Paulo. 

Maior acordo comercial da história. Maior bloco econômico do mundo. Após cinco anos de negociações, foi concluído o Tratado Transpacífico (TTP), megabloco que reúne as três pontas do oceano Pacífico: 5 países americanos (EUA, Canadá, México, Peru e Chile), 5 asiáticos (Japão, Malásia, Vietnã, Cingapura e Brunei) e 2 da Oceania (Austrália e Nova Zelândia). É o acordo preferencial mais amplo e profundo já negociado. Vai reduzir a zero 90% das tarifas dos bens comercializados entre os seus membros em 2017.

Prevê ainda a integração das áreas de serviços, proteção a investimentos, compras governamentais, comércio eletrônico, telecomunicações, propriedade intelectual, concorrência, sanidade animal e vegetal, facilitação de comércio e regras trabalhistas e ambientais. Na área agrícola, cria mecanismos de consulta entre reguladores dos países para resolver questões ligadas a saúde, qualidade e segurança dos alimentos — a chamada "coerência regulatória", que visa aproximar leis e regulamentos dos países-membros.

Fonte: jornal Folha de São Paulo. 

Esse aspecto pode ter um impacto muito maior do que a redução das tarifas de importação. Carnes, açúcar e lácteos serão os produtos mais impactados no Brasil. Com seus 30 capítulos, o TTP é um acordo de 3ª geração que vai criar fortes preferências e convergências nas múltiplas áreas citadas. A sua conclusão marca, agora oficialmente, o deslocamento da onda central da globalização do Atlântico para o Pacífico no século 21. O TTP é a estrutura institucional que vai moldar as cadeias de suprimento no Pacífico. Além disso, a magnitude do novo bloco obrigará Europa e China a se movimentarem mais rapidamente no grande xadrez global. A UE tem poucos acordos na Ásia e precisa acelerar. A China é atingida no coração da região onde estão os seus principais mercados e cadeias de valor.

No caso do Brasil, os impactos serão profundos. A maior parte do comércio de manufaturas do Brasil se dá nas Américas e mais de 50% das exportações do agronegócio dirigem-se hoje à Ásia. Ou seja, seremos impactados dos dois lados do Pacífico. Curiosamente, o Brasil foi pioneiro na construção da Organização Mundial do Comércio (OMC) e dos primeiros projetos de megablocos comerciais. Quinze anos atrás negociávamos a Rodada de Doha da OMC, a Área de Livre Comércio das Américas (Alca) e o acordo Mercosul-União Europeia. As três iniciativas fracassaram.

Espero que esse forte recado do Pacífico sirva para o Brasil se mexer. Temos importância, tamanho, experiência e pessoas capacitadas para negociar. Falta-nos apenas decisão e organização. Os Ministros da Agricultura, Indústria e Comércio e Relações Exteriores conhecem profundamente a matéria. Que tomem a iniciativa, junto com o setor privado, para recuperarmos a década perdida.
 

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

WALTER JARK FLHO

SANTO ANTÔNIO DA PLATINA - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 13/10/2015

Prezado Marcos! Gostaria de saber mais detalhes sobre o efeito no leite. Em tese ,pelo que tenho lido , o impacto não seria muito grande por alguns motivos , pelo menos no curto prazo :

A cotação do Dólar de certa forma "proteje" a importação do leite;

Nossa produção é praticamente para o consumo interno;

Futuros parceiros comerciais como Russia e China não estão neste bloco.

É verdade que minha fonte de informação é muito restrita e portanto tua experiência ajudaria numa avaliação mais detalhada.

Walter
ELISEU NARDINO

MARIPÁ - PARANÁ

EM 07/10/2015

Acho que vamos mudar de pais, já que o pais não muda
FERNANDO COLDEBELLA

CONCÓRDIA - SANTA CATARINA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 07/10/2015

Nosso governo passa tentando comércio com Argentina, Venezuela, Cuba, Paraguai...
CELESTINO DOS SANTOS PANTALEÃO

CASA BRANCA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 07/10/2015

ai a gente se pergunta, como vamos lidar com isto?

MilkPoint AgriPoint