FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Dias (ainda mais) difíceis pela frente

POR EMERSON GONÇALVES

ESPAÇO ABERTO

EM 15/08/2012

4 MIN DE LEITURA

56
0
Em abril comprei o farelo de soja para a ração das minhas vacas a 41 reais a saca de 50 kg. Um preço já alto, principalmente por estarmos, então, no auge da safra. Alertado pela gerente da loja da cooperativa que a próxima remessa já viria por incivilizados 53 reais, muni-me de coragem e comprei mais algumas sacas para pagar em maio. Pagamento que acabou saindo em junho... Coisas da vida de produtor de leite que sai da sua rotina de "gastança".

Eventuais olhadas nos noticiários na internet e conversas com alguns vizinhos deixavam-me preocupado. A soja continuava a subir.

Mas, uma coisa é ouvir dizer ou ler a respeito, outra, muito diferente, é aparecer para comprar a soja do mês seguinte, o que vim a fazer num dia qualquer do começo de julho. O vendedor, que me atende há vários anos, olhou para mim com uma cara que misturava tristeza com preocupação e alertou-me:

- Olha, a coisa braba, se prepare.

Sorri e disse que não tinha problema.

Vã ilusão. Imaginava algo como 60 reais...

E apareceu na tela do computador, virada para mim, inimagináveis 78 reais. Quase tive um treco qualquer, daqueles de chamar o pessoal do pronto atendimento sempre prontos a salvar vidas e aliviar sofrimentos. Mas não tive. Rapidamente, o vendedor disse que tinha um descontinho e, pelo sim, pelo não, comprei a soja a 74 reais.

Um aumento brusco, repentino, selvagem, completamente irreal de 80,5%!

Misericórdia, 80%?!

Pior: sabia, sem precisar fazer pesquisa que aquele era o melhor - o melhor, pasmem! - preço que eu encontraria na minha região, no interior paulista.

Creio que dois dias depois recebi a nota do laticínio com o valor referente ao leite produzido e entregue no mês de junho. Uma revolta funda, surda, profunda brotou. Os míseros 82 centavos (de real e não de dólar, como bem sabe todo produtor) despencaram para 80 centavos, numa queda de 2,5%. Esse foi o valor base pago pelo meu leite, ao qual foram agregados três bônus por qualidade. Que pouco contribuíram para amenizar de fato o quadro.

Hoje vou comprar soja. O preço de lista é de 80 reais a saca de 50 kg. Negociada, vai sair por 75, com um aumento de 1,4% em relação ao preço de julho e um aumento de 83% em relação ao preço de abril.

Ontem o caminhão "do leite" trouxe a nota do laticínio com o valor pago pelo leite entregue no mês de julho. O valor base despencou novamente, agora de 80 para 78 centavos. De real. Novamente, uma queda de 2,5% no valor.

Entendo que a indústria faz isso por necessidade e não por, desculpem a expressão, sacanagem?

Sim, entendo. Faço uma reclamação formal, meramente para registro da insatisfação. Não tenho ilusões, conheço um pouquinho do funcionamento do mercado e o nosso mercado, o do leite e seus derivados, é um mercado triste. Apesar de produzirmos, toda a cadeia do leite, um alimento indispensável à nossa própria sobrevivência e a uma vida saudável, nosso produto principal é vendido a preço "de pinga".

Pensando bem, antes fosse verdade, pois o "preço de pinga" é muito mais elevado, muito, mas muito mais alto que o preço do leite. E se uma não presta para nada, apenas para desgraçar famílias, o outro é justamente o contrário. Contradições da sociedade em que vivemos.

Então, ficamos assim: a soja está 87% mais cara e o leite 5% mais barato.

Não falei do milho, ?

Precisa? Creio que não, todos sabem que esse produto está com o preço também nas alturas, embora não tanto quanto a soja.

Não mudo minha ração: fubá, farelo de soja, polpa cítrica e núcleo mineral. Não acredito em mudança de fonte de proteínas, pois a soja é insuperável. A única providência foi uma mudança pequena no teor de ureia que já adicionávamos, quando a soja estava cara, muitos meses atrás. Coisa pouca, mas reduz um bocadinho a participação do caviar, digo, da soja no trato das vacas e bezerras. As outras fontes de proteína, além de sujeitas a problemas de fornecimento pela demanda aquecida, também estão caras. Penso que mudar a ração, readaptar os animais a uma nova dieta, depois mudar novamente, nova adaptação, num vai-e-vem chato, caro e pouco produtivo, não é interessante. Andei fazendo umas contas e a economia que eu teoricamente teria, no papel, é pouco significativa.

Estou preso à soja e ao milho. A polpa é boa ajuda, mas por si só não resolve muita coisa, mesmo porque a diferença para o milho é pequena.

Como sabe todo produtor, o concentrado para nossos animais impacta nossa estrutura de custos em 30%. Um pouco menos em meses bons, um pouco mais nos meses de entressafra dos produtos. Não fiz as contas (desculpem, deveria ter feito, mas faltou "tempo") da minha nova estrutura de custos, mas a participação do concentrado aumentou muito, coisa próxima dos 10%, o que é selvagem (fiquei com essa coisa de selvageria na cabeça e agora digito) e perigoso para a atividade.

Enquanto tudo isso acontece, o cidadão urbano lê ou ouve com inveja sobre a felicidade espantosa dos produtores de soja e milho, bafejados por preços extraordinários. Pois é, antes fosse realmente verdadeiro, o que não acontece inteiramente, bem sabemos.

Poucos minutos antes de começar a escrever, acabara de ler o excelente artigo do professor e pesquisador Marcos Fava Neves, com o título "Os impactos da seca", aqui mesmo no MilkPoint.

Assustador.
Se você é produtor de leite e o teu coração não anda lá muito bem, não leia (brincadeira de escritor pobre... leia sim, é muito importante para termos uma visão realmente global da situação).

EMERSON GONÇALVES

Produtor de leite em Santa Rita do Passa Quatro em tempo integral, principalmente nos finais de semana. Colunista do portal GloboEsporte, autor do Olhar Crônico Esportivo.

56

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

PAULO ROBERTO VIANA FRANCO

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 24/03/2013

Prezado Olimpio, A nossa vaca é ruminante. Fazer pasto de qualidade é simples para quem conhece. Quem comanda o sistema é custo de produção.  Temos obrigação de todas as vacas darem LUCRO.  Paulo Viana
PAULO ROBERTO VIANA FRANCO

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 24/03/2013

Estamos num Pais Tropical com recursos naturais(sol, água,solo etc.) abudante o ano todo e estamos copiando modelo de outros paises com outra realidade. O sistema de produção onde o volumoso via pasto manejado deve ser prioridade. A ração a base de soja e milho deve ser por mérito para vaca em produção acima da média dos pastos manejados.  Todo produtor deve consultar um técnico especializado para fazer sua dieta. A maioria dos dos produtores não tem custo de produção do litro de leite.  Não sabe fazer pasto de qualidade e não sabe usar o referido pasto.  Com  um sistema de produção equivocada a base de grãos(dificil para o ruminante) o jeito é reclamar e colocar a culpa em alquem. Sera que o problema está conosco. Vamos fazer um exame de conciência. Paulo Viana
EDUARDO VON ATZINGEN

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/09/2012

Estamos usando um super concentrado, MAXI CANA, para misturar este produto com levedura, ionoforos, ureia, e micro minerais. 2 kg de maxi cana misturado em 100 kg de cana e alimentamos de 4 a 5 vacas com um custo de R$ 0,90 a R$ 1,15 por vaca dia (vacas de 10 a 11 litros dia sem ração ) somente cana triturada e maxi cana. entre em contato. e-mail: maxivet@bol.com.br
SIDNEI FRIES

CONCÓRDIA - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/09/2012

Tô  contigo Leovegildo, temos o péssimo hábito de copiar métodos europeus ou americanos de produção e por consequência nos tornamos dependentes da soja e do milho querendo igualar ou até mesmo superar a produção por animal desses países, esquecendo que moramos num pais tropical onde existem muitas alternativas, é uma pena não estarmos atentos para estas alternativas.
LEOVEGILDO LOPES DE MATOS

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 31/08/2012

Prezados produtores:



Estive fora do Brasil nos últimos 2 anos e, acompanhando a evolução dos preços do leite por aqui, ficava alarmado com a elevação ocorrida, ao ponto de termos o leite com maior preço pago ao produtor do mundo, perdendo apenas para o Japão, Israel e alguns outros poucos países ricos. Infelizmente a história se repete: produtores nossos, como sempre, entupindo suas vacas com concentrado, aumentando suas médias de produção e com os custos disparando ao ponto de se inviabilizarem. A médio prazo o esperado seria aumento do preço dos insumos usados na formulação dos concentrados. O ciclo se repete. Infelizmente o que se vê em seguida são as lamentações e as quebradeiras, vacas que não emprenham e outros problemas com a saúde do rebanho. Para fechar o ciclo, como sempre ocorreu no passado, a culpa não é dos produtores imediatistas, que só pensam no aumento da receita momentânea, mas do governo, da falta de política para o setor, etc. A lei da oferta e da procura não pode ser revogada pelo congresso ou vetada por governo algum, é ditada pela força do mercado. Vamos aprender com a história e com a adoção de tecnologias mais adequadas ao nosso ambiente tropical: soja e milho, antes de atenderem a vacas leiteiras (como "suplemento alimentar") tem que servir de alimento para monogástricos como suínos e aves e milho para alimentação humana. Com os preços do leite nos patamares que chegaram era de se esperar que nossos produtores fizessem caixa e aproveitassem melhor do momento. Serviu apenas para aqueles astutos e bem preparados, a maioria se preocupou em aumentar volume de leite produzido a qualquer custo, sem levar nenhuma vantagem nesse processo.
GUILHERME ALVES DE MELLO FRANCO

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 31/08/2012

Prezado Sidney Lacerda Marcelino do Carmo: Coisa de Brasil sem governo. Mal começa a aumentar o consumo, os aproveitadores, sem quaisquer motivações, aumentam o preço, explorando a demanda, mesmo que a oferta seja substancial. Mesmo a R$ 61,00 (sessenta e um reais), como na sua região (aqui ainda se encontra a R$ 54,00) o amendoim vem se tornando melhor que a soja (não em qualidade, mas em preço, já que reputo a soja como imbatível), que, em minha região, já beira a R$ 100,00 (cem reais) a saca. Com relação à padronização, não tenho tido problemas, até então, com meu fornecedor. O produto vem com níveis de estrato etéreo bastante satisfatórios, pelo menos até hoje (rsrsrs).

Um abraço,

GUILHERME ALVES DE MELLO FRANCO


FAZENDA SESMARIA - OLARIA - MG


=HÁ SETE ANOS CONFINANDO QUALIDADE=
BRUNO CEZAR

RIALMA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 23/08/2012

O mar não esta para peixe

LUCIANO OLIVI MONARI

ADAMANTINA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE CAPRINOS DE CORTE

EM 22/08/2012

meu amigo e com grande indignacao que leio a sua materia e fico triste porque estou mandando minhas pobres vacas leiteiras que nao tem nada a ver com isso para o frigorifico e indignado que em nossos meios televisivos ninguem enxerga o sofrimento dp produtur rural que nao tem domingo nem feriado para produzir leite e sim fico cada vez mais triste quando o pouco que o leite sobe ligo a televisao de manha e escuto o cafe da manha do brasileiro esta mais caro por causa da alta do leite acho isso um absurdo mas infelizmente moramos no brasil abracos
CAIO GOMES

IPERÓ - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 21/08/2012

Amigos!
Sou produtor da Cidade de Iperó-SP.
Novo no ramo, ainda não tenho toda estrutura necessária para fugir desses impasses, mas pelo 1 ano de atividade, tenho produção até que expressiva, chegando a 750 L/Dia neste mês.
Hoje uso Cana Uréia e Ração 18% de uma cooperativa.
Tenho planejamento de Roça de Milho arrendada para o ano que vem e  intenção de construção do barracão de alimentação, para produzir minha própria ração.
Por hora minha situação é pior ainda do que a dos amigos, pois não tenho minha própria "bóia", ou seja, estou nas mãos da Capal - Cooperativa do Paraná.
Até o começo do ano, eles praticavam aceitáveis R$ 0,58 / kg, em comparação a médios/grandes estabelecimentos agropecuários.
Neste mês de Julho paguei absurdos R$ 0,78, o que ainda "vale a pena" no meu caso, porém esses "furos a mais em meu cinto" vem diminuindo cada vez mais, e jajá sinto que não terei como "apertá-lo" mais.
Queria ter idéia, para fim de eleição de prioridades de investimento, através de um financiamento que estou pleiteando junto ao BNDES, sobre custo de ração produzida internamente.
A pergunta é: Quanto custa HOJE o kg de ração de vocês? E em circunstâncias "normais"?
Grato
SIDNEY LACERDA MARCELINO DO CARMO

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 21/08/2012

Prezado Guilherme,
Já formulava ração com amendoim muito antes da soja encarecer, o que vejo com desvantagem é a não padronização do produto quando comparado com a soja. Entretanto quando as partidas de amendoim vem com bastante óleos (extrato etéreo) a ração fica show.


Parei de dar amendoim devido já também ter ficado muito caro, pelo menos aqui 61 reais / saco. Estava vendo nos meus custos anteriores vi preço de amendoim de 32 reais, e ainda vejo como vantagem o amendoim é que a gente sai da dolarização, uma vez que a soja é cotada em dólar. A única desvantagem que vejo é a não padronização do produto pelo menos com os que já trabalhei. Já aflotoxina é comum em todos os grãos armazenados.
GUILHERME ALVES DE MELLO FRANCO

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 19/08/2012

Prezada Samara de Paula Lopes: Com certeza, o amendoim tem o inconveniente de apresentar, se mal armazenado, fungos que podem comprometer a higidez física dos animais (aflotoxinas). Mas, não é, acredite, fator tão alarmante a ponto de inviabilizar seu uso. Estou há dois meses (desde que pudemos fazer previsão de alta da soja) utilizando o amendoim e não tive qualquer problema, nem de consumo nem de queda na produção. É claro que nada se compara à soja, mas o preço atual é proibitivo. Por isso, mesmo tendo estoque da soja, não posso continuar seu uso como antes, porque não sei até quando esta situação internacional irá perdurar. Enquanto a baixa não acontece, alternativa como o amendoim não pode ser descartada, o que, a meu ver, é melhor que diminuir a ração dos animais de alta produção, o que pode gerar alto custo futuro, para recuperar o que foi perdido e com a recuperação física dos mesmos.



Prezado Emerson Gonçalves: Temo que abaixar a quantidade de ração não vai resolver o problema, já que, em proporção inversa, estas vacas citadas irão secar e o prejuízo com a queda pode ser maior. Melhor seria, mesmo, substituir nutrientes para manter o nível proteico da ração. Feno é volumoso e não substitui a soja.

Um abraço a ambos,

GUILHERME ALVES DE MELLO FRANCO

FAZENDA SESMARIA - OLARIA - MG

=HÁ SETE ANOS CONFINANDO QUALIDADE=
SIDNEY LACERDA MARCELINO DO CARMO

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 19/08/2012

O mais triste disso tudo é ver alguns agricultores procurarem alternativas de alimentação proibidas  como cf. Fazer o que a pessoal tem uma familia para cuidar e não só as vacas.
ARTUR JOSE CABRAL

ITAPERUNA - RIO DE JANEIRO - MERCADO DE LONGA VIDA

EM 18/08/2012

  Pessoal, acordem. É so fazer o que o Guilherme falou e em 3dias os laticinios pagam o preço que o produtor quiser.
NÉUDE

ITUMBIARA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/08/2012

Se o preço do Leite não se elevar, produzir leite se tornará uma atividade para quem gosta de tomar prejuízo. A esperança é que o alto custo faça com que diminua a oferta e melhore os preços.
ANDRÉ LUIZ TEIXEIRA

LORENA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/08/2012

o que fazer, parceiros quem nós podera ajudar; a cati-leite, o sebrae não a propria vaca não dar pra comer soja e milho ela come cana e capim e também dá o leite que o produtor  oferece ai o produtor manda o pobre funcionario embora que vai a mulher e os quatro ou cinco filho vai pra cidade dai os filhos vai vender droga  tudo isso é culpado do governo  que prefere compra leite em pó de outro paise esquece do povo brasileiro
o produtor é um bravo  lutador  tem o bolsa familia  e não tem bolsa produtor  
RONALDO MARCIANO GONTIJO

BOM DESPACHO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/08/2012

Senhores,



Realmente nós temos a faca e o queijo na mão, pena que ainda somos desunidos, mas creio que um dia ainda vamos nos unir. Nós produtores rurais somos muito mais fortes que imaginamos, nós temos o poder de exterminar a raça humana da face da terra, basta que todos os produtores agropecuarios do mundo desistam de produzir. Acreditem nós aqui do campo temos o mesmo poder do arsenal nuclear, se desistirmos matamos toda a raça humana.



WELLINGTON MARCOS DE PAIVA SILVA

CARRANCAS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/08/2012

Concordo plenamente com o comentário do Vicente Romulo Carvalho, deixemos de apenas lamentar e culpar integralmente os governos por tudo isso, e mudemos o paradigma de que só é possível viver da produção leiteira batendo recordes de produtividade, enquanto esse discurso das indústrias encontrar eco entre os produtores rurais a desgraça irá perdurar por gerações. Lembrem-se que a natureza projetou a vaca para comer forragem e não farelos! "A unanimidade é burra"! O discurso de que se não for desse jeito a produção não fará frente à demanda mundial de alimentos é balela! Só o desperdício de alimentos nos Estados Unidos comprovadamente mataria a fome de todo o continente africano, precisamos sim, é mudarmos o nosso padrão de consumo.
EMERSON GONÇALVES

SANTA RITA DO PASSA QUATRO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/08/2012

Jackson, o Brasil é formado de muitos Brasis.

Por sinal, conheço Camacan. Fui inúmeras vezes para Ilhéus, fazendo vídeos sobre o uso do Roundup no cacau, gravando a fábrica e atividades da Cargill, etc.

Lembro com saudades de uma fazenda em Camacan onde sempre tinha "mel de cacau" bem gelado.

Ô negócio que vicia de tão gostoso que é!

Bom, qualquer atividade pecuária ou agrícola tem que levar em consideração a natureza do local, suas características, distâncias das fontes de suprimentos, etc.

Não dá para inventar.

Ouvi dizer mais de uma vez que o amendoim-forrageiro vai muito bem por aí, até por ser nativo. Aqui eu plantei um pouco, mas não deu grande coisa. Desisti.

Enfim, cada local com sua própria realidade e soluções.

FELICIANO JOSE PONTES BARCELOS

SÃO FIDÉLIS - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/08/2012

Muito bom o artigo e real, mais depois de tanto tempo , anos após anos ficamos calejados . é isso ai .. o produtor de leite é um sonhador movido por uma paixão.
MATEUS MORALES CALVE

CAJOBI - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 17/08/2012

Emerson,

Se possível vou anotar seu email de contato para tirar dúvidas com você, pretendo entrar para a atividade, mas to naquele "vô num vô"



Obrigado, forte abraço.
MilkPoint AgriPoint