FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Desafios do agronegócio

ESPAÇO ABERTO

EM 03/11/2014

2 MIN DE LEITURA

0
0
A economia agropecuária, numa perspectiva de mercado, não apenas produz e oferta alimentos de origem animal e vegetal, como também agrega outras atribuições igualmente indispensáveis relativas ao solo, à fauna, flora e na preservação da água, que é um dos elementos naturais mais importantes no dinamismo dos sistemas produtivos. Acrescentem-se ainda as dependências com as variações climáticas, nem sempre auspiciosas e estimulantes, o que sinaliza minimamente a necessidade de que o empreendedor rural tenha sempre acesso aos conhecimentos científicos e tecnológicos ligados às culturas e criações e, acima de tudo, possa avaliar as condições de mercado. O que estou produzindo interessa aos consumidores? O padrão de qualidade alimentar é confiável? Qual a forma mínima de apresentação do produto? Em que lugar estará disponível? O preço é acessível? Ele atende às necessidades básicas dos consumidores? E os concorrentes?

Além disso, dentro da porteira da fazenda, as logísticas operacionais são suficientes para tecnologias, produtos e serviços exigidos, que resultem numa eficiente gestão do espaço rural que lhe pertence? Noutro ângulo, como essas informações estão chegando no campo e como são pactuadas e ajustadas com os empreendedores rurais? ? presumível, sem muito detalhamento, que o dado disponível precisa ser transformado em informação, essa informação em conhecimento, o conhecimento em adoção e a adoção em resultados econômicos, sociais e ambientais. Esse é um círculo virtuoso às mudanças com seus desafios e benefícios, inclusive para toda a sociedade consumidora, que depende e dependerá da agricultura e do agronegócio.

Entretanto, surge uma outra questão de fundo e que nem sempre emerge nos diferentes cenários que abordam a sustentabilidade no campo: a renda para quem planta e cria, mesmo diante do pendular mercado agropecuário. A agropecuária é um negócio e precisa gerar ganhos o suficiente para inovar, abastecer, exportar, pagar impostos, adotar as leis ambientais, educar os filhos, ter acesso à saúde, ao lazer, benefícios da modernidade no viger desse século 21. Deveria ser tão claro como o dia vem depois de uma noite. Na verdade, embora a pergunta seja simples, a sustentabilidade da agroeconomia presume desdobramentos que exigem vários níveis de decisão entre o governo, produtores e a sociedade, por suas lideranças. Porém, qual é o futuro previsível para a agricultura e o agronegócio brasileiros? Esses cenários, multifatoriais e multidisciplinares, não podem ficar sem uma resposta abrangente, pois perde-se tempo e até o lugar.

Transformar, no que couber, potencialidades em riquezas e justiça social, reduzindo as desigualdades no campo e nas cidades, é um objetivo permanente em qualquer país que pretenda evoluir social, economicamente e de olho nos concorrentes para não perder espaços vitais nesse mundo globalizado. Não se deveria no exercício da política pública, caminhando-se entre convergências e divergências, subestimar o estudo e avaliação de cenários futuros, pois suas raízes foram plantadas há muito tempo. ? fácil? Não, desafiador.

O texto é do Engenheiro Agrônomo Benjamim Salles Duarte, publicado no Jornal Diário do Comércio.
 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint