ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

A lição de Cingapura

POR MARCOS SAWAYA JANK

ESPAÇO ABERTO

EM 22/09/2015

3 MIN DE LEITURA

2
0
Cingapura completou 50 anos em agosto. Na semana passada, o partido que está no poder desde 1960 foi reeleito com 70% dos votos, conquistando 83 dos 89 assentos do Parlamento. A eleição representa mais um voto de confiança ao legado de Lee Kuan Yew, o grande líder do país, que faleceu aos 92 anos em março passado. Situada no estratégico Estreito de Malaca, uma curta faixa de mar por onde passa 25% do comércio mundial, essa terra de desterrados —migrantes, comerciantes, piratas, invasores— tinha tudo para dar errado e acabar sendo incorporada pelos seus vizinhos. Mas a despeito da sua multiplicidade de raças, línguas, religiões e culturas, o país acabou formando uma identidade nacional única.

Na sua fundação, em 1965, a renda per capita de Cingapura era inferior a US$ 500, muito parecida com a do Brasil à época. Hoje a do Brasil está em US$ 9,3 mil e a de Cingapura passa dos US$ 55 mil. Não há milagre, mas sim a adoção de receitas simples e originais. Em primeiro lugar, Cingapura é uma economia aberta à competição, ao comércio, aos investimentos, às empresas multinacionais, aos expatriados. Tornou-se assim um dos principais "hubs" globais de comércio, finanças e turismo.

O porto e o aeroporto, grandes e modernos, estão entre as principais portas de entrada na Ásia. Soma-se a isso a educação pública de alta qualidade e um incrível sistema habitacional criado pelo poder publico, que atende 80% da população, e que foi mal copiado por Paulo Maluf em São Paulo. Na questão da mobilidade urbana, a cidade oferece uma invejável rede de transporte público e, por isso, taxa o uso do carro com uma licença cara vendida em leilões.

Maior a procura por licenciamento, maior o custo da licença para usar o carro. Com isso, o nível dos congestionamentos é controlado pelo mercado, tornando-se insignificante perto do que tenho visto em metrópoles do mesmo tamanho. Segundo, Cingapura colocou a disciplina e o respeito às leis como condição básica para o bem-estar da coletividade. A "fine city" é conhecida por aplicar pesadas multas em quem cospe, joga lixo ou bitucas de cigarro no chão. Homicídio, uso de drogas, roubo, assaltos e vandalismo são pesadamente punidos, inclusive com castigos físicos ou expulsão do país.

Mas as pessoas não se sentem acuadas, já que a lei é clara e conhecida por todos. Ao contrário, é impressionante como um país tão jovem, que nasceu tão pobre e com tanta diversidade étnica e cultural conseguiu virar uma cidade-estado limpa, moderna, civilizada, que detém um dos mais baixos índices de criminalidade do planeta. Liberdade e segurança só existem quando as regras do jogo são respeitadas.

Soma-se a isso o árduo combate à corrupção em todas as suas formas. Basta dizer que ministros e altos funcionários do governo são escolhidos por critérios meritocráticos e estão entre os mais bem pagos do planeta. Tratam-se de lições básicas e simples, mas ainda tão pouco aplicadas no mundo. Quando vejo o desrespeito diário às regras básicas de convivência, a complexidade absurda das nossas leis e a falência do sistema político do Brasil, lembro-me da frase de Steve Jobs: "foco e simplicidade são os meus mantras. O simples pode ser bem mais difícil de fazer do que o complexo".

Marcos Sawaya Jank é professor Associado da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, FEA-USP, atua também como coordenador de Pesquisa e Pós-Graduação do Instituto de Relações Internacionais da USP. Atualmente ocupa o cargo de Presidente do Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais (ÍCONE.) Marcos atuou também como Especialista em Integração e Comércio da Divisão de Integração, Comércio e Assuntos Hemisféricos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em Washington (DC), durante o biênio 2001-2002.
 

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ROBLEDO RENE DE MORAES

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/09/2015

Muito bom o artigo, com receita simples para uma cidade  ou estado dar certo: liberdade economica , boas leis e seguimento à risca dessas leis.

O autor cita, sim, que o pais é uma economia aberta:

"Em primeiro lugar, Cingapura é uma economia aberta à competição, ao comércio, aos investimentos, às empresas multinacionais, aos expatriados. Tornou-se assim um dos principais "hubs" globais de comércio, finanças e turismo".

Ótima visão por parte do autor
ANTÔNIO ELIAS SILVA

CAMPO ALEGRE DE GOIÁS - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/09/2015

Faltou citar o principal responsável pela arrancada de Cingapura: é o país com mais liberdade econômica do mundo. É isso que fez tudo mais acontecer, e não suposta rigidez e cumprimento das leis. A liberdade é mãe, e não filha como muitos pensam. Educação, saúde, alto padrão de vida são consequências de um país antes livre...
MilkPoint AgriPoint