ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

A automação agropecuária

ESPAÇO ABERTO

EM 09/12/2013

4 MIN DE LEITURA

4
0
Por Ladislau Martin Neto*

O impacto dos avanços científicos e tecnológicos nos diferentes setores da economia mundial é cada vez maior. No Brasil não é diferente e uma área particularmente importante vai oferecer novas oportunidades para o país: a automação na agropecuária. Esse tipo de sistema possui enorme potencial de ampliar a produtividade e a produção de um setor hoje responsável por 25% do PIB, 40% dos empregos e das exportações e que continua mantendo superávit e a balança comercial positiva. Neste ano, e apenas até setembro, o avanço do PIB agrícola foi de 8,1%.

Processos de plantio, manejo de ervas daninhas, fertilização, irrigação e colheita há muito utilizam e continuam demandando desenvolvimento e adaptação de máquinas, equipamentos e automação. Ocorre que cada vez se torna mais premente viabilizar a automação em maior escala em função da contínua redução de mão de obra para atuar em diferentes atividades no campo, um cenário comum nos países desenvolvidos e que avança rapidamente no Brasil. Essa agenda pode também ser convenientemente conciliada com práticas modernas de uso mais eficiente de insumos e recursos naturais (água e solo) de imensa relevância para manter a competitividade e sustentabilidade do setor.

A empresa Enalta, de São Carlos, usando tecnologias, sensores, GPS e comando de voz para etapas de plantio e irrigação em cana-de-açúcar, contando com o apoio da Embrapa, ganhou destaque mundial ao ser apontada, em 2013, como uma das 50 empresas mais inovadoras, e a única da América do Sul, numa relação em que constam gigantes como Apple e Microsoft.

Outros exemplos, em fase de adoção crescente, vêm da cadeia animal, como o recente desenvolvimento de um robô tratador de suínos, da empresa Rupado, do Paraná, que é capaz de dosar a quantidade de ração ideal para cada baia individual, registra a temperatura do ambiente, mapeia enfermidades e medicamentos utilizados, marca o consumo de alimento, controla o estoque no silo de ração, é acoplado com sensor de presença para abastecimento, entre outras facilidades, como a opção de ser programado para servir mais de uma pocilga. O robô atende a até dois mil animais, ou três galpões, e se desloca por meio de trilhos específicos. Esses dois casos conciliam criatividade nacional, capacidade de superar desafios complexos e já estão disponíveis para o mercado.

A automação pode e deve avançar pela agropecuária como forma de assegurar o aumento de produção e produtividade no Brasil e ainda manter e estimular o crescimento das indústrias de máquinas e equipamentos agropecuários no país. Há que se ressaltar, contudo, que não temos resultados no mercado em abundância e que é cada vez maior o interesse de empresas multinacionais nas oportunidades crescentes do agronegócio brasileiro.

Assim, para se manterem viáveis e competitivas, será cada vez mais importante que as indústrias de máquinas e equipamentos brasileiras gerem inovações que possam dar melhor desempenho e ampliar a gama de atividades atendidas. Uma boa estratégia para alcançar esse objetivo é a ampliação de parcerias entre as indústrias e as instituições de pesquisas públicas e privadas. Recente edital do governo federal, o Inovagro, lançou linhas de financiamentos, com recursos do BNDES e da Finep, para as indústrias gerarem produtos inovadores, sendo a área de máquinas e equipamentos agropecuários uma das contempladas. Outras instituições de fomento estaduais, como a Fapesp, também têm linhas de estímulo à cooperação de empresas para gerar inovações. Portanto, em alguma medida, os indicativos e estímulos estão sendo dados.

Um mecanismo ainda pouco utilizado no agronegócio por aqui é a estratégia do conceito de "cluster" em determinada cadeia produtiva ou sistema de produção. Na Nova Zelândia, um "cluster" associado à cadeia produtiva do leite foi implementado em aço inoxidável (isso mesmo). O país, que já é competitivo em sistemas de produção de leite, está se projetando como um grande e competitivo "player" em toda a maquinaria e equipamentos (baseados em aço inoxidável) para a cadeia produtiva do leite a fim de atingir o mercado mundial.

O Brasil poderia eleger seus "clusters", associados a emergentes sistemas produtivos ligados ao agronegócio brasileiro, e que demandam equipamentos e máquinas automatizados, constituindo mercado atual e futuro no país e em diferentes regiões do planeta, em especial áreas tropicais.

A Embrapa vem atuando e se consolidando como desenvolvedora e usuária de métodos e equipamentos automatizados. Exemplo disso é a agenda de trabalho da Embrapa Instrumentação (São Carlos, SP), criada em 1984, e que inaugurou em 20 de setembro, o Laboratório de Referência Nacional em Agricultura de Precisão (Lanapre), preparado para constituir novas e estratégicas parcerias com empresas públicas e privadas. De fato o Lanapre foi inaugurado já no formato de Unidade Mista de pesquisa em parceria com a Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Além de redes de pesquisas em andamento ligadas à temática, a Embrapa está também implementando um Portfólio de P&D&I em Automação Agrícola, Pecuária e Florestal.

Enfim, a automação irá avançar trazendo alternativas "de mão de obra" para o produtor rural brasileiro com diminuição de custos, aumento de produtividade e potencial para alavancar novamente nossa indústria de máquinas e equipamentos justamente no setor econômico mais competitivo do país, o agronegócio.

O Artigo foi escrito por *Ladislau Martin Neto - Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa. Divulgação autorizada ao MilkPoint pela Secretaria de Comunicação (Secom) da Embrapa.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CLAUDIO HENRIQUE CAMPOS

IMBITUBA - SANTA CATARINA

EM 25/10/2018

Desenvolvo projetos embarcados. camposanalistatecnico@gmail.com
SIDNEY

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/06/2014

Ivan,

então foi um bom encontro. Me manda um email particular pra trocarmos ideias.

farmsid@pop.com.br
IVAN

VERA CRUZ DO OESTE - PARANÁ - PESQUISA/ENSINO

EM 02/06/2014

Sou professor de um curso técnico em informatica e formado em sistemas de informação. Meu pai é produtor de leite e eu trabalhava com isso até pouco tempo. Estou começando estudar a plataforma ARDUINO e tenho algumas ideias sobre a automação na pecuária leiteira. Gostaria de trocar algumas idéias sobre esse assunto, se alguém já tiver algum conhecimento nesta área.
SIDNEY

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 11/12/2013

Eu vivo isso todos os dias.

Na minha propriedade estou pesquisando sobre hardware e software livre para automação de algumas atividades. Estou tendo sucesso. Usamos uma plataforma chamada "arduino" e programamos com linguagem aberta. Temos certeza que o inicio é esse e nos ajuda muito. Hoje nossa principal vitória foi a automação da irrigação. Estamos trabalhando com um tensiometro com leitura pelo arduino que controla a irrigação de pastos. Nos empolgamos a cada dia e nossos estudos são abertos e adoramos trocar experiências.
MilkPoint AgriPoint