carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Anuncie > Novidades dos Parceiros

Gestão da ordenha

postado em 24/11/2017

Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Importante

Esta seção é reservada aos nossos anunciantes.
As informações veiculadas nesta seção são de caráter comercial e não necessariamente representam o pensamento do conselho editorial do site.

 

Por Lissandro Stefanello Mioso - Médico Veterinário CRMV/Rs 8457 / Consultor Técnico

O ato de ordenhar não é uma interação simples como se pensa, e sim uma operação complexa envolvendo homem, animal e equipamento. Há um princípio de funcionamento adequado no sistema de ordenha para que não haja dano ao animal e nem ao operador do equipamento.

 
Entendendo o princípio de operação do equipamento:

• Todo sistema de ordenha deverá ter um nível de vácuo regulado adequadamente;
• Teteiras dentro do prazo de sua vida útil;

Outros parâmetros do equipamento deverão ser parametrizados numa avaliação dinâmica de acordo com as instruções do fabricante e por um técnico capacitado.

Procedimentos para ordenha:

• Limpar, secar e preparar os tetos;
• Ordenhar todos os animais em lactação todos os dias ao menos duas vezes por dia;
• Possuir o menor tempo possível do conjunto de ordenha na vaca;
• Ordenhar vacas sadias.
*Procedimentos de ordenha afetam a qualidade do leite.

Preparar grupo de 4 a 6 vacas, dependendo do número de ordenhadores e tamanho do equipamento, sempre retornando na primeira vaca para início da ordenha.

Monitorar e cronometrar as sessões de ordenha para verificar performance da sala de ordenha.

Busque montar uma rotina de trabalho no intuito dos tetos estarem sempre limpos, secos e preparados. Para isso utilize:

• Luvas limpas;
• Pré-Dip 30 segundos antes do contato;
• Exame em busca de novas infecções (mamites);
• Secagem com toalhas individuais por teto;
• Colocar os conjuntos de ordenha de 60 – 120 segundos após a secagem dos tetos que também criam estimulo;
• Observe se há ruídos ou chiados nas teteiras;
• Evite a sobre ordenha;
• Pos- dip;


Em média a ocitocina leva 60 segundos para atingir a concentração adequada no úbere para ejeção do leite.
 

Esses procedimentos são para que possamos atingir um desempenho de ordenha aceitável e com qualidade, da utilização dos mesmos poderemos avaliar a performance do equipamento e da sala de ordenha e deveremos encontrar:

• Colocação do conjunto de ordenha no tempo certo e com duração curta;

• Tempo para inicio do pico do fluxo de leite entre 60 a 90 segundos;    
•  Atingir 50% do leite a ser ordenhado nos primeiros 2 minutos;    
• Teteiras sem ruídos e com massageamento uniforme;   

Imagem de gráfico comparativo entre duas curvas de ordenha.   
 
       

Tradução:

Properly prepped = preparação adequada

Improperly prepped = preparação inadequada.

Os procedimentos de ordenha são operações essenciais para obtenção de qualidade, com procedimentos pobres de ordenha poderemos encontrar as seguintes situações:

• Se o tempo do dip for menor de 30 segundos aumenta o risco de mastite ambiental;
• Se a preparação e colocação do conjunto de ordenha forem menores que 60 segundos teremos inicio de ordenha seco ou seja pouco leite;
• Se a preparação e colocação do conjunto de ordenha for maior que 120 segundos poderá se perder o pico de concentração da ocitocina e vir a causar lesão nas pontas dos tetos;
• A saúde dos tetos pode revelar muitas informações para auxiliar as tomadas de decisão do dia-dia na fazenda. Podemos avaliar os mesmos criando uma tabela de pontuação ou score dos tetos para que nos forneçam dados para formação do diagnóstico do que pode estar ocorrendo, assim evitando novos riscos de infecções e prejuízos. 


A condição de saúde do teto pode ser afetada de formas diferentes dependendo do tempo que está exposto a um ambiente que afetam o mesmo.

Período exposição curta: efeitos causados por algumas sessões de ordenhas.

Observamos mudança de cor, inchaço e dureza na ponta do teto e no corpo do teto. Anéis na base do teto na inserção ao úbere e se verificarem abertura permanente do orifício do teto maior que 2 mm é um fator preocupante.

Possíveis causa: sobre ordenha, coletor com peso não adequado, vácuo alto e pulsação com falha.

Período exposição média: efeitos causados por alguns dias ou semanas de ordenhas.

Verificamos endurecimento e enrijecimento da pele do teto principalmente em dias frios, úmidos e ventosos. Irritação química e presença de petequeias hemorrágicas.

Possíveis causa: condição climática ruim, ambiente dos animais inadequado, uso de desinfetante inadequado para animais, vácuo alto, sobre ordenha e falha na pulsação mesmo em vácuo constante.

Período exposição longa: efeito de um mês de ordenha.

Período exposição muito longa: efeito de meses de ordenha.

Nos períodos longo e muito longo de exposição podemos verificar uma mudança na saúde do teto: hiperqueratose.

Possíveis causas:  má preparação de ordenha, formato e tamanho do teto, nível de produção, sobre ordenha, predisposição genética, vacas duras de alta produção e vácuo alto.

Para utilizar a pontuação dos tetos (score) devemos classificar os tetos através de exame visual existem tabelas guias com sugestão de classificação sendo assim:

• Pontue (exame visual) 4 tetos;
• Verifique as condições da pele do teto antes da ordenha;
• Verifique (exame) novamente os tetos após a ordenha;
• Secar o teto com papel toalha;
• Examinar o teto na sua totalidade;


Dica em rebanhos até 80 animais pontuar todos os animais e em rebanhos entre 80 – 400 vacas escolha aleatoriamente 80 vacas, já nos rebanhos acima de 400 animais pontuar 20% do rebanho.

Com a pontuação podemos acompanhar a saúde dos tetos do rebanho podendo ter nessa técnica, indícios seguros de problema nos tetos referente a ordenha:

• Se 20% dos animais demonstrarem mudança na coloração dos tetos para avermelhado;
• Se mais de 20% dos animais apresentarem tetos inchados;
• Mais de 20% dos animais apresentam orifício do teto dilatado, ou com lesões vasculares;
• Se observamos mais 5% do rebanho com lesão aberta nos tetos;
• Hiperqueratose ponta de teto acima de 20% entre áspero e muito áspero ou acima de 10% de muito áspero.


Esses são alguns indícios de que a eficiência da ordenha não está adequada, e para melhorar esse desempenho é indicado rever os procedimentos de ordenha, funcionamento e regulagem do equipamento de ordenha e alinhamento dos conjuntos de ordenha mantendo em dia as peças de trocas periódicas como mangueira e teteiras.

Para se familiarizar com a técnica de avaliação dos tetos e sua pontuação existem profissionais que aplicam a técnica com conhecimento e podem auxiliar a fazenda na gestão desse parâmetro na produção de leite, converse a apresente os dados ao técnico do equipamento de ordenha para que possa ajustar o mesmo para que permita uma melhor performance ao rebanho em lactação da fazenda.

Tabela sugestão/ilustrativa:


Entre em contato com o autor deste artigo através do formulário abaixo!

deve ter o formato de 10 a 11 dígitos (ddd + telefone ou 0800, 0300, etc.)
Por favor digite o código de verificação contido na caixa ao lado:

3000 caracteres restantes

 

Importante

Esta seção é reservada aos nossos anunciantes.
As informações veiculadas nesta seção são de caráter comercial e não necessariamente representam o pensamento do conselho editorial do site.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade