Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Formação de lotes: vacas primíparas e multíparas podem ficar juntas? Qual o tamanho ideal do lote?

Por Rafaela Carareto Polycarpo
postado em 08/08/2008

7 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Segundo o NRC (2001), vacas primíparas (PP) consomem menos alimentos e de maneira diferente que vacas multíparas (MP); além disso, vacas PP geralmente são mais medrosas e se encontram em posição social inferior no rebanho. Por estes motivos, é bastante comum separar lotes de animais PP e MP.

Philips e Rind (2001) avaliaram os efeitos na produção de leite e no comportamento dos animais misturando ou não grupos de vacas multíparas e primíparas. Foram avaliados três grupos: um com 16 vacas multíparas, um com 16 vacas primíparas e outro com 8 vacas primíparas e 8 vacas multíparas. Os animais eram mantidos em sistema de pastejo rotacionado.

A produção de leite na primeira semana foi 3% menor para o grupo com animais misturados e na sexta semana foi 1% menor que a dos grupos não misturados. A redução na produção de leite foi similar para as vacas multíparas e primíparas. No grupo misturado, todos os animais diminuíram o tempo pastejando e ficaram mais tempo parados, principalmente na primeira semana de experimento; porém, as vacas multíparas deste mesmo grupo aumentaram a taxa de bocado e tiveram mais interações de agressão com as demais vacas do que nos grupos separados.

Os autores concluíram que ao misturar vacas primíparas e multíparas, há interferência no tempo de pastejo e no comportamento social do grupo, resultando com isso em queda de produção de leite.

Em outro estudo realizado por Bach e colaboradores (2006), foi avaliado os resultados na produção de leite e no comportamento animal quando se misturava ou não animais PP e MP. Foram utilizados 2 grupos de animais, um exclusivo de PP, um com 30 % de PP e 70% de MP. Os animais eram mantidos confinados, recebiam a mesma dieta basal e mais 3 kg de concentrado por dia no momento da ordenha.

Não houve diferença de produção de leite e no consumo de matéria seca entre os animais PP dos dois lotes (25,5 kg/d e 18,1 kg/MS para PP sozinhas e 25,9 kg/d e 18, 7 kg/MS para as PP junto com lote de MP).

Tradicionalmente, vacas leiteiras são agrupadas em lotes que tenham de 40 a 100 animais (Albrigh, 1978). Grupos de até 100 animais teriam algumas vantagens como facilidade de locomoção, facilidade dos animais reconhecerem todo o grupo, facilidade para observar todos os animais e de formular a ração que atenda de maneira eficiente. Porém, segundo Grant e Albright, 2000, muitos fatores podem interferir no tamanho do grupo:

1) espaço de cocho, competição por água, alimento;
2) as interações sociais que existam no rebanho;
3) espaço disponível para os animais;
4) tamanho dos animais e idade;
5) condição corporal dos animais;
6) ingestão de matéria seca;
7) presença ou não de sistemas de ventilação.

O tamanho máximo do grupo é ditado pelas características da ordenha; uma vaca não deve esperar mais do que 1h e 45 min para ser ordenhada, considerando de 2 a 3 ordenhas por dia (Grant e Albright, 2000). O tamanho do grupo deve ser no máximo 4,5 vezes o tamanho da ordenha. Por exemplo, para uma ordenha do tipo duplo 10, o grupo deverá ser de no máximo 90 animais (Smith et al. 2000, citado por Grant e Abright 2000).

Referências:

ALBRIGHT, J. L. Social considerations in grouping cows. In: Wilcox, C.J.; Van Horn, H.H. Large Dairy Herd Management. Ed. University Press of Florida, Gainesville, p.757-779, 1978.
BACH, A.; IGLESIAS, C.; DEVANT, M.; Ràfols, N. Performance and Feeding Behavior of Primiparous Cows Loose Housed Alone or Together with Multiparous Cows. Journal of Dairy Science, v.89, p.337-342, 2006.
GRANT, R. J., ALBRIGHT, J.L. Feeding behaviour. In: D'Mello, J.P.F. Farm Animal Metabolism and Nutrition, ed. CABI Publishing. Wallingford, Oxon, UK, p.365-382, 2000.
NATIONAL RESEARCH COUNCIL. In: 7th Revised Edition of Nutrient Requirements of Dairy Cattle. National Academy Press, Washington, DC, 2001.
PHILLIPS, C.J.C; RIND, M.I. The Effects on Production and Behavior of Mixing Uniparous and Multiparous Cows. Journal of Dairy Science, v.84, p.2424-2429, 2001.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

Luciano Calomeno Machado da Rosa

Ponte Alta do Norte - Santa Catarina - Consultoria/extensão
postado em 12/08/2008

Parabéns pelo artigo.

Muito interessante as infomações.

Pablo Gomes de Paiva

Cuiabá - Mato Grosso - Mestrando em Ciência Animal-UFMT
postado em 15/08/2008

É um assunto muito interessante e que nos prende a atenção quanto ao correto manejo que devemos ter com as diferentes categorias de vacas presentes em uma leiteria. Parabéns pelo artigo!

GEOVANE TEIXEIRA XAVIER

Mutum - Minas Gerais - Produção de leite (de vaca)
postado em 20/08/2008

Prezada Rafaela,

Com abordagens interessantes e bem colocadas como essa é que vamos conscientizar os produtores de leite deste país que são os detalhes que determinam o sucesso ou o fracasso na atividade.

Parabéns!
Geovane Teixeira Xavier

edilane santos dutra

Montes Claros - Minas Gerais - Estudante
postado em 03/09/2008

Rafaela,

Realmente, muito bom seu artigo, parabéns pela escolha do tema, pois muitos preocupam somente com alimentação e reprodução esquecendo de práticas de manejo.

Edilane Santos Dutra

Allan Rodrigues Pereira

Anápolis - Goiás - Zootecnista e produtor de Leite
postado em 10/09/2008

Rafaela ótimo artigo,

acho que algo que deveria ser estudado é a interação entre agrupamento dos lotes e desempenho reprodutivo das primíparas.

Allan Rodrigues

Rodolfo Coelho de Queiroz

Patos de Minas - Minas Gerais - Estudante
postado em 24/10/2008

Rafaela,

Como foi citado acima, vários fatores podem interferir na formação de lotes, como: espaço de cocho, competição por água, alimentos. Gostaria de uma sugestão de algum livro de projetos rurais para bovinocultura leiteira.

Desde já agradeço.

Rafaela Carareto Polycarpo

Planaltina - Distrito Federal - Professora
postado em 11/11/2008

Prezado Rodolfo Coelho de Queiroz,
sugiro estas referências:

Bioclimatologia e instalações zootécnicas: aspectos teóricos e aplicados. In: WORKSHOP BRASILEIRO DE BIOCLIMATOLOGIA ANIMAL, 2., Jaboticabal, 1993. Boletim H148b. Jaboticabal: FUNEP, 1993.p.132-146.

SANTOS, F.A.P, CARARETO, R, PACHECO-JÚNIOR, A, J,D. 2008. Conforto de bovinos leiteiros em sistemas intensivos de produção. 6º Simpósio de Bovinocultura Leiteira . Requisitos de qualidade na bovinocultura leiteira. FEALQ- Piracicaba, SP. 2008. 227-319.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade