Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Qualidade do leite na bacia leiteira de Rio Branco (Acre)

Por Marcos Veiga Santos
postado em 23/03/2001

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Marcos Veiga dos Santos

Neste radar estaremos apresentando os resultados do estudo realizado pela Embrapa Acre, sob coordenação do médico veterinário e pesquisador Francisco Aloísio Cavalcante, que avaliou a qualidade do leite produzido na bacia leiteira de Rio Branco, Acre. Este estudo, que teve a colaboração da Embrapa CNPGL, mostra que o tema "qualidade do leite" vem ganhando espaço em todas as regiões produtoras de leite no Brasil, constituindo-se em um exemplo positivo de como deveria ser avaliada previamente a situação da qualidade do leite nas várias regiões do Brasil, antes de ser implementado o tão propagado PNMQL (Programa Nacional de Melhoria da Qualidade do Leite).

O estudo realizado na bacia leiteira de Rio Branco-Acre avaliou a composição do leite e a contagem de células somáticas (CCS) de 15 rebanhos leiteiros mestiços, alimentados exclusivamente em pasto de Brachiaria brizantha, com média de produção de 5 litros/vaca/dia, em ordenha manual. Durante o período de julho a dezembro de 2000, foram coletadas amostras de leite compostas do latão, as quais foram enviadas ao Laboratório de Qualidade do Leite da Embrapa CNPGL para a determinação da porcentagem de gordura, proteína, lactose e da CCS.

Os resultados do estudo foram bastante interessantes, mesmo considerando que as amostras de leite foram coletadas apenas no período no qual as pastagens estão com menor qualidade, os índices pluviométricos baixos e umidade relativa do ar alta. As concentrações médias de gordura, proteína, lactose e sólidos totais foram respectivamente: 3,54%, 3,05%, 4,75% e 12,44%, o que pode ser considerado normal para o padrão genético e para o tipo de manejo alimentar adotados (Tabela 1). Vale a pena ressaltar que o estudo terá continuidade para avaliar o que ocorre com a composição do leite durante a estação chuvosa, e desta forma, determinar as principais variações relacionadas com a estacionalidade.

De maneira semelhante aos resultados de composição do leite, a CCS de rebanhos mestiços alimentados exclusivamente a pasto foram avaliadas e encontram-se expressas na Tabela 1. A CCS média dos 15 rebanhos estudados foi de 381.790 células/ml de leite, inferior àquela publicada recentemente em outro trabalho de pesquisa (641.000 células/ml), com mais de 7.900 amostras de vários rebanhos de todo Brasil*. No entanto, é necessário cautela ao analisar estes resultados, uma vez que o estudo ainda não foi finalizado e principalmente por refletirem a situação de um número pequeno de rebanhos, com baixa produção de leite e apenas durante a época seca do ano.

O estudo realizado no Acre é uma boa oportunidade para se analisar de forma crítica o estabelecimento de limites máximos para a CCS no leite de consumo no Brasil. Até o momento, não existem informações completas, ainda que tenhamos poucos estudos realizados no Paraná e São Paulo, que possam dar uma visão geral sobre a situação da CCS em rebanhos leiteiros brasileiros. Fica, então, a pergunta no ar sobre qual a situação da CCS em rebanhos de outras bacias leiteiras, principalmente considerando a possibilidade de que a partir de julho de 2002, teremos que produzir leite com CCS menor que 1.000.000 células/ml, determinada por legislação. Pelos resultados do estudo no Acre, a grande maioria dos produtores daquela bacia leiteira poderá vender seu leite sem nenhum problema, mas e em relação aos demais produtores, quantos terão problemas com a CCS? Ou melhor, quantos ainda nem sequer sabem o que significa e para que serve a CCS?

Tabela 1 - Composição média do leite (gordura, proteína, lactose, sólidos totais e CCS) de 15 rebanhos da bacia leiteira de Rio Branco- Acre

Tabela 1


*Fonte: Scientia Agrícola, v.57, n.2, p.359-361, 2000.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade