Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Limpeza e Desinfecção de Equipamentos de Ordenha e Tanques - Parte 1

Por Marcos Veiga Santos
postado em 20/02/2004

4 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

1- Limpeza e desinfecção afetando a qualidade do leite

O Brasil tem obtido enormes avanços na melhoria da qualidade do leite em anos recentes. Deve-se levar em conta que houve um acelerado aumento do resfriamento do leite e da coleta a granel. Paralelamente, já contamos com boa estrutura laboratorial para análises de leite, o que possibilita avanços e oportunidades para sistemas de pagamento por qualidade, o que, certamente, é uma etapa necessária para consolidação dessas mudanças estruturais na qualidade do leite do Brasil.

Pode-se dizer, entretanto, que um dos pilares básicos para a produção de leite de alta qualidade, uma demanda recente de indústrias e consumidores, é a adequada limpeza e desinfecção de equipamentos de ordenha e tanques. Trata-se de uma medida básica, mas que ainda não faz parte do cotidiano de grande parcela de produtores e técnicos, como pode ser comprovado pelo mais recente levantamento promovido pelo Conselho Brasileiro de Qualidade do Leite (CBQL).

Resultados apresentados por laboratórios de qualidade que compõe a Rede Leite apontam que a CBT, a qual é um índice muito afetado pela limpeza, ainda é o ponto mais crítico em termos de qualidade do leite. Projeta-se assim que parcela considerável (cerca de 30%) dos produtores não atenda as novas normas legais de CBT do leite. Portanto, faz-se necessário que os conceitos básicos, procedimentos e principais métodos de limpeza e desinfecção sejam entendidos, buscando-se garantir a produção de leite de qualidade superior.

Os modernos sistemas de ordenha apresentam grandes superfícies de contato, as quais requerem adequados procedimentos de limpeza. Os resíduos de leite que se aderem às superfícies são locais ideais para a multiplicação bacteriana, que contamina o leite durante a ordenha, pois o fluxo de leite retira estas bactérias e as carreiam para dentro do tanque resfriador. Em síntese, uma limpeza deficiente proporciona condições muito favoráveis ao desenvolvimento de microorganismos no interior do equipamento, o que eleva significativamente a contaminação do leite produzido nestas condições, mesmo que a fazenda conte com um excelente sistema de resfriamento do leite e rebanho com bom controle de mastite. O principal objetivo da limpeza e desinfecção é fazer com que o equipamento não aumente a carga microbiana do leite após a sua ordenha.

2 - Design do equipamento e eficiência da limpeza

Embora os equipamentos de ordenha possam variar amplamente quanto ao design e configurações, os sistemas de leite canalizado usam a limpeza tipo CIP (clean in place = limpeza no local), que nada mais é do que a limpeza por circulação. Neste caso, as soluções de limpeza devem ser transportadas a partir do tanque de limpeza para as demais partes do equipamento que entram em contato com o leite. Deve-se assegurar que as soluções entrem em contato por tempo suficiente e com ação física mínima para uma limpeza adequada.

A velocidade e o padrão do fluxo das soluções de limpeza variam de acordo com o componente do sistema de ordenha, em função do diâmetro. Em sistemas mais modernos é usada a injeção de ar para produzir um fluxo lento que permite maior contato com as superfícies a serem limpas.

Grande parte dos problemas de limpeza de equipamentos tem origem em deficiências de instalação, dimensionamento e construção de salas de ordenha, cujo design não foi planejado de forma a garantir a eficiência da limpeza. Alguns conceitos fundamentais devem ser levados em conta para reduzir problemas de limpeza de sistemas de ordenha. Deve-se planejar sistemas de ordenha que sejam simples, pois cada aumento de tubulação por onde passam o leite impõe desafio à limpeza. As configurações preferenciais são aquelas que minimizam o tamanho das linhas de leite e de limpeza, com menor número de emendas e conexões. Por exemplo, a unidade final, o tanque de limpeza e o tanque resfriador devem ficar o mais próximo possível. A pia de limpeza deve ficar próximo ao tanque resfriador para facilitar a mudança entre ordenha e limpeza das tubulações de leite. A distância da unidade final para a sala de leite deve ser mínima para reduzir o volume de soluções de limpeza, perdas de calor e dificuldades de controlar a circulação das soluções.

O centro de ordenha deve ser planejado de forma a facilitar a drenagem dos resíduos de limpeza, os quais são produzidos em grandes volumes. É fundamental um bom desnível e sistema de drenagem que tenha capacidade de retirar grandes volumes de água do fosso e das demais áreas durante a limpeza.

As linhas de leite devem ser dimensionadas para ter desnível entre 0,5 a 2% em direção da unidade final para facilitar o escoamento do leite durante a ordenha, enquanto as demais mangueiras e tubulações devem ser instaladas de forma a facilitar a drenagem por gravidade entre os ciclos e após o final da limpeza. A boa drenagem é fundamental, pois os resíduos são locais de intensa multiplicação de microorganismos que levam à alta contaminação do leite. Todas as tubulações devem drenar os resíduos quando o equipamento está desligado.

No sistema CIP, durante a limpeza as unidades de ordenha são conectadas à linha de limpeza, permitindo a circulação completa das soluções de limpeza. Com o objetivo de aumentar a turbulência e a eficiência de ordenha podem ser instalados injetores de ar na linha de leite ou na de limpeza.

3 - Tipos de sujidades (resíduos):

A função básica da limpeza do equipamento de ordenha é a remoção dos resíduos dos componentes do leite das superfícies internas de várias tubulações. Caso isto não ocorra, pode haver a multiplicação microbiana e contaminação do leite. Pode-se classificar em duas grandes classes de sujidades: orgânicas e minerais, cujas características são importantes para o completo entendimento dos requerimentos para uma limpeza eficaz.

Os resíduos orgânicos são compostos pela proteína, gordura e lactose do leite. Devido a sua alta complexidade e diversidade, estes compostos podem se aderir com mais ou menos intensidade à tubulação, dependendo da umidade, temperatura e tempo de contato. Estes resíduos, portanto, devem ser retirados o mais rapidamente possível, para reduzir a sua adesão, o que dificulta a remoção. O início imediato das operações de limpeza após o término da ordenha é um dos requerimentos para se evitar o depósito de componentes orgânicos.

A remoção da gordura do leite depende da alcalinidade (pH) e temperatura da solução de limpeza. Considerando que a gordura do leite tende a se solidificar em temperaturas abaixo de 35oC, é fundamental que as soluções de limpeza sejam mantidas sempre acima de 38oC durante todos os ciclos. Em temperaturas inferiores ocorre maior deposição de gordura, resultando em dificuldade de remoção. Adicionalmente, os detergentes devem conter uma alcalinidade suficiente para quebrar os glóbulos de gordura (processo chamado de emulsificação) que facilita sua remoção no enxágüe.

No tocante a proteína, pode ocorrer formação de filme incolor, ou amarelo se ocorrer grande acúmulo, bastante difícil para remoção. Deve-se usar um detergente alcalino clorado para a sua remoção, cuja ação é quebrar a proteína em moléculas menores, tornando mais fácil a sua remoção.


Os resíduos minerais (inorgânicos) são compostos pelos vários sais minerais presentes no leite e na água de limpeza, como cálcio, magnésio e ferro. Caso não sejam adequadamente removidos, estes sais sofrem precipitação e se aderem firmemente ao equipamento. Curiosamente, quando ocorre precipitação dos minerais, parte dos resíduos orgânicos ficam retidos e formam um filme que após certo período de tempo é conhecido como pedra do leite. Este filme é um excelente local para o desenvolvimento de bactérias contaminantes, caso haja umidade suficiente. Parte da formação da pedra do leite está ligada a dureza da água, que deve ser sempre levada em conta para a adequação das concentrações de detergente, caso necessário. A remoção da pedra do leite é feita com solução de detergente ácido.


Agentes de limpeza

A limpeza e remoção efetiva dos resíduos de leite do interior do equipamento de ordenha são obtidas pela combinação da ação mecânica e química. A ação química é dependente da detergência e da capacidade dos agentes químicos converter compostos insolúveis em solúveis, possibilitando a sua remoção. Alguns termos são utilizados para descrever a ação dos vários componentes dos agentes de limpeza:


Os principais agentes de limpeza usados são os detergentes alcalinos e os detergentes ácidos.

Detergentes alcalinos: apresentam em sua composição substâncias alcalinas, cuja função principal é atuar quimicamente na remoção de compostos orgânicos das superfícies dos equipamentos. Estes agentes não atuam sobre a pedra do leite.

Entre os principais ingredientes estão: álcalis, fosfatos, umectantes, agentes quelantes e seqüestradores. Os álcalis (como o hidróxido de sódio e carbonato de sódio) promovem a saponificação da gordura, enquanto os fosfatos (orto e polifosfato) auxiliam na redução da dureza da água, e atuam como emulsificantes e dispersantes. Os agentes umectantes facilitam a penetração da solução e auxiliam na remoção da proteína, visto que o cloro atua quebrando a proteína em peptídeos menores, os quais são mais facilmente removidos.

Detergentes ácidos: São produtos formulados com ácidos orgânicos, inorgânicos ou em combinação. Sua função principal é remover os fatores inorgânicos (pedra do leite). Sua ação química ocorre pela conversão de minerais insolúveis na água, tornando-os solúveis e permitindo a sua remoção pelas soluções de limpeza.

Estes agentes não atuam em resíduos orgânicos e devem ser usados após o detergente alcalino. Como pode ser observado, nenhum produto para limpeza de ordenha consegue de forma isolada remover todos os resíduos do leite.

Sanitizantes: o objetivo principal do uso de sanitizantes m sistemas de ordenha é reduzir a contaminação bacteriana existente entre duas ordenhas. Preferencialmente devem ser aplicados imediatamente antes do início da ordenha, reduzindo a presença de microorganismos que se multiplicam nos resíduos de leite que não foram removidos pela limpeza. Entre os compostos mais utilizados na sanitização estão produtos a base de cloro (hipoclorito), iodo e amônia quaternária. Os produtos a base de cloro são muito usados em função do preço, e da boa capacidade germicida, no entanto, deve se ter cuidado especial com a armazenagem, pois pode ocorrer perda de cloro por volatilização, tornando-o produto menos eficaz.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Alexey Heronville Gonçalves da Silva

Jataí - Goiás - Indústria de insumos para a produção
postado em 01/06/2004

Sobre a série de 3 publicações sobre desinfecção de equipamentos de ordenha, eu acho que aqui em Goiás, apesar dos esforços dos técnicos envolvidos na cadeia de leite, ainda existem muitos problemas inerentes à esta questão aqui discutida. Sou médico veterinário de uma cooperativa do sudoeste goiano e vejo, frequentemente, cooperados que perdem 800, 1.000 litros de leite (algumas vezes até mais que isso, dependendo dos dias de passagem do caminhão de coleta) condenados nos testes de acidez que simplesmente não aceitam ou tomam consciência da importância da correta lavagem e desinfecção dos equipamentos de ordenha (principalmente tanques resfriadores e teteiras) e dos latões (ainda muito comuns) de leite. Eu gostaria que o Dr. Marcos Veiga tecesse maiores comentários (ou que fizesse artigo à parte) sobre o chamado Leite Ácido e suas causas e ocorrências, com as devidas opções de resolução deste que é um dos maiores problemas enfrentados por produtores, laticínios e indústrias.

Renata Graziela Bianchio

São José do Rio Preto - São Paulo - Estudante
postado em 04/10/2006

Dr. Marcos Veiga, que maquinário seria necessário para conservar uma produção leiteira de 450litros/dia, para uma fazenda de produção familiar numa comunidade do centro-oeste dos pais, informações sobre maquinários de fácil de manuseio, qual a potência desses maquinários.

Resposta do autor:

Renata,

Obrigado pela mensagem. Infelizmente, a sua pergunta é muito ampla e de difícil resposta. A minha sugestão seria você procurar um empresa idônea de equipamentos de ordenha para buscar as especificações para esses equipamentos.

Atenciosamente, Marcos Veiga

Edison Gazabin

Presidente Prudente - São Paulo - Indústria de insumos para laticínios
postado em 06/11/2012

Gostaria que fosse focado o uso do alcalino clorado para limpeza a 75ºC , pois nesta temperatura o cloro não fará a sanitização, acho que estou correto, e ai não se faz uma sanitização.  pois nesta temperatura e para ativar a solução alcalina.

Guilherme Alves de Mello Franco

Juiz de Fora - Minas Gerais - Produção de leite (de vaca)
postado em 06/11/2012

Prezado Dr. Marcos Veiga: Parabéns pelo importante artigo. Utilizo, na desinfecção dos equipamentos de ordenha, Clorexidina que, como o senhor sabe, é um desinfetante ambiental que se utiliza, até mesmo, em cirurgias (inclusive humanas). Os resultados têm sido satisfatórios, tanto que minha CBT não passa de 80.000 U/ml. Utilizo este elemento, também, como "pré-dipping" e na esterilização da sala de ordenha. Há quatro meses não tenho casos de mastite clínica e, há mais de um ano, de subclínica.


Um abraço,

GUILHERME ALVES DE MELLO FRANCO


FAZENDA SESMARIA - OLARIA - MG


=HÁ SETE ANOS CONFINANDO QUALIDADE=

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade