Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Radar Técnico > Nutrição

Fornecimento de soja grão para vacas em lactação

Por José Roberto Peres
postado em 07/06/2002

3 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O Brasil é um grande produtor mundial de soja. Seu farelo, resultante da extração do óleo, é talvez a principal fonte de proteína na alimentação animal. Além do farelo, há muito se sabe, e os estudos comprovam, que os grãos de soja moídos se constituem numa ótima fonte protéica e energética para ruminantes. No entanto, não são utilizados em nosso meio de forma freqüente.

O grão integral de soja (90% de matéria seca), contém cerca de 38% de proteína bruta, 82% de NDT, 17% de extrato etéreo (gordura) e 8,9% de fibra detergente ácido (FDA). Uma comparação dos grãos com outros subprodutos da soja pode ser vista na tabela 1.

Tabela 1: Composição bromatológica da soja e seus subprodutos


1PB = proteína bruta;
2Bypass = % proteína bruta que escapa degradação no rúmen
3NDT = nutrientes digestíveis totais;
4 EE = extrato etéreo;
5FDA = fibra detergente ácido

Talvez a impopularidade da soja grão crua se deva à presença do fator antitripsínico, que inibe a ação da enzima tripsina, além da lipase, que pode contribuir para a rancificação de sua gordura e também de uma enzima chamada urease que, em contato com a uréia, a converte em amônia, liberando seu cheiro característico. Em função disso, a soja grão crua não é indicada para animais não ruminantes (aves, suínos), o que contribui para que seu uso seja menos divulgado.

No caso de ruminantes, como o gado leiteiro, não existem grandes restrições. Só é recomendável que não se utilize uréia em rações com grãos de soja cru. O aquecimento (tostagem) dos grãos destrói a urease e inativa a lipase, o que aumenta o tempo de estocagem dos grãos, além de aumentar consideravelmente seu teor de proteína bypass, o que pode se tornar um diferencial positivo deste produto, especialmente quando se trata de animais de alto potencial de produção.

Um grande número de estudos, conduzidos ao longo de muitos anos, tem comparado o valor nutritivo dos grão integrais crus e tostados, com o farelo de soja. Alguns resultados serão mostrados abaixo.

Num estudo foram comparadas 3 dietas, contendo respectivamente farelo de soja, soja em grãos crua ou tostada. A forragem consistia de silagem de milho à vontade, além de 2,5 kg de feno de alfafa. O concentrado balanceado com os diferentes tipos de soja foi oferecido na proporção de 1 kg para cada 3 litros de leite. As vacas consumiram cerca de 16 kg de silagem e 2,3 kg de soja diariamente. A produção de leite e gordura foi similar entre os tratamentos (tabela 2), não tendo sido afetada pela solubilidade da proteína ou pelo teor de gordura das dietas.

Tabela 2: Comparação entre o farelo e os grãos de soja crus ou tostados



Em outro trabalho, que comparou os grãos de soja crus ou tostados com o farelo de soja, os grãos foram moídos antes do fornecimento. O volumoso da dieta era o feno de alfafa, fornecido na proporção de 35% de uma dieta que continha outros 65% de concentrado. O concentrado era composto de 82-85% de milho moído, minerais e vitaminas, além da soja nas diferentes formas. Os grãos de soja foram consumidos na quantidade de 2,3 a 2,7 kg/dia. Os resultados podem ser vistos na tabela 3.

Tabela 3: Comparação entre o farelo e os grãos de soja crus ou tostados



A única explicação para a menor produção de leite e porcentagem de gordura com o uso do grão cru parece ser a menor ingestão de matéria seca (talvez algum problema de rancificação da gordura).

Segundo Harris Jr., 1990, vários estudos foram realizados comparando os grãos de soja tostados ou crus, com o farelo de soja. Os resultados obtidos são inconsistentes e parecem variar em função do volumoso, estágio de lactação e idade das vacas. Ele afirma que, embora não se saiba exatamente as razões destas variações, algumas diretrizes para o uso dos grãos podem ser traçadas:

1) Os grãos tostados têm mais proteína "bypass" e portanto tendem a apresentar melhor resultado em vacas de alta produção em início de lactação.

2) Grãos extrusados fornecidos em grande quantidade (5,5 a 6,8 kg/vaca/dia) podem causar grande depressão no teor de gordura do leite. Valores inferiores 2 a 2,5 kg devem ser fornecidos na maioria das situações.

3) A maioria dos estudos não demonstra qualquer vantagem real no uso dos grãos tostados em relação aos grãos crus quebrados. Ambos parecem apresentar resultados semelhantes também ao farelo de soja.

4) Os grãos devem ser grosseiramente quebrados para melhorar seu aproveitamento. Este processamento deve ser freqüente (diário?) para que se evite a rancificação da gordura. A mistura dos grãos com milho ou algum outro tipo de alimento impede que os grãos "grudem".

5) Não use grãos de soja cru em dietas contendo uréia devido à presença da urease.

6) Inicie o fornecimento gradualmente para evitar queda de consumo.

Comentário do autor: em algumas regiões do País os grãos de soja cru podem constituir-se numa ótima opção de alimento protéico-energético. Diferentemente do caroço de algodão, outra semente oleaginosa, os grãos de soja precisam ser processados (moídos) antes de seu fornecimento, o que contribui para sua impopularidade. Também é preciso, em alguns casos, atentar para a maior solubilidade de sua proteína, que pode ser problema em animais de produção mais elevada. De forma semelhante ao caroço de algodão, em função de seu alto teor de gordura, é melhor manter seu fornecimento em quantidades moderadas até 2,5 - 3,0 kg/vaca/dia.

Fontes:

Harris Jr., B, 1990. Feeding Raw or Heat Treated Soybeans to Dairy Cattle. Florida Extension Bulletin DS 28.

Mielke, C.D. e D.J. Shinghoethe, 1981. Heat treated soybeans for Dairy Cows. J.D. Sci. 74:1579

Smith, N.E. et al., 1980. Whole cottonseed and extruded soybeans for cows in early lactation. J.D.Sci. 63 (supl. 1): 153 Abstract.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

José Antonio Senna Gonçalves

Cristianópolis - Goiás - Produção de leite
postado em 01/10/2012

A opinião é esclarecedora. Obrigado pelas informaçõe. Neste contexto de preços dos insumos de ração nas alturas, quem tem a sorte de morar ao lado das lavouras de soja deveria considerar a possibilidade de usar este grão in natura para baixar custo.

edivaldo cenci

Seberi - Rio Grande do Sul - Consultoria/extensão rural
postado em 11/01/2014

Posso usar grão de soja cru com milho (no momento da trituração) para fazer silagem de grão úmido? Qual seria a mistura aproximada desses dois ingrediente para ter um alimento com 18% de proteína?

arno ricardo goelzer

Quinze de Novembro - Rio Grande do Sul - Produção de leite
postado em 30/10/2014

Muito boa a matéria, gostaria de saber qual o tipo de tostada a ser usada nos grãos para estacagem do grão e posterior moagem.  Abraços

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade