Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Radar Técnico > Nutrição

Cultivando e colhendo capim de boa qualidade para vacas leiteiras

Por Junio Cesar Martinez
postado em 24/02/2012

34 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Muitas das vezes o produtor se preocupa tanto com a genética do seu rebanho que se esquece do simples fato de que não existe genética capaz de produzir sem que seja adequadamente nutrida. Portanto, o entendimento do desenvolvimento e adaptação das plantas forrageiras são parte importante do processo de produção de leite. O manejo inclui fertilização, escolha de espécies e/ou variedades, colheita na hora certa, dentre outros fatores. Este artigo irá focar nas maiores diferenças entre algumas espécies cultivadas que são muito utilizadas na alimentação animal.

Considerações sobre o solo - tipos de solos na fazenda

Antes de comentar sobre as espécies de gramíneas, é imperativo ler um pouco sobre as características do solo no qual as forragens irão crescer. Drenagem, topografia, capacidade de retenção de água, teor de matéria orgânica e a presença ou ausência de algum fator de restrição são as principais características que diferenciam os tipos de solo.

Solos com restrição ou deficiência leva a menor produção. Desta forma, solos ricos em nutrientes deverão ser amostrados a cada 3 ou 4 anos, enquanto solos pobres a cada 1 ou 2 anos, objetivando analisar o teor de nutrientes disponíveis para as plantas e o pH do solo.

Elementos como nitrogênio, fósforo e potássio são os principais nutrientes. Entretanto, em algumas situações uma adubação com micro-nutrientes poderá ser necessária para fornecer condições favoráveis para o enriquecimento do solo.

Considerações sobre as forragens - manejo e escolha de espécies

A maioria das forrageiras são adaptadas a apenas uma região geográfica, com tipo de solo e de precipitação pluviométrica, temperatura e outras características que podem ser muito peculiares. Isso explica o fato de existirem um número muito grande de diferentes materiais genéticos para produção de alimento para os animais.

As forrageiras são classificadas em gramíneas e leguminosas. Algumas plantas são cultivadas especificamente para alimentação animal, como por exemplo o Capim-Braquiarão. Por outro lado, algumas plantas são cultivadas para alimentação humana, sendo os seus subprodutos utilizados na alimentação animal, como por exemplo a soja.

Composição de nutrientes de feno e silagem

Muitos produtores não verificam a concentração de nutrientes após o processo de conservação de forragem, a exemplo disso temos o feno e a silagem. Tal procedimento deveria ser rotineiro em fazendas produtoras de leite, pois somente o fornecimento de nutrientes de forma balanceada proporcionará redução de custos e maximização dos lucros, e o primeiro passo para isso é o encaminhamento de amostra dos alimentos produzidos na fazenda para um laboratório credenciado, no intuito de que este realize as análises bromatológicas pertinentes.

Produção de grãos

Uma grande parcela dos produtores encara de forma diferente a produção de grãos quando o destino deste é para a produção animal. Alimentos para animais devem ser produzidos buscando-se a melhor qualidade possível, tanto quanto para a alimentação humana, devendo se preocupar com o combate de pragas, insetos e doenças durante o processo produtivo.

Considerações finais

A boa nutrição dos animais depende diretamente da habilidade do produtor em produzir alimentos que por eles serão consumidos. Para tanto, dever-se-á utilizar métodos de controle de plantas daninhas, população de insetos, uso racional de herbicida, fungicida e inseticida, medidas de conservação de solos e demais práticas conservacionistas que contribuem grandemente para a eficiência produtiva de uma granja leiteira.

O manejo da forrageira, propriamente dita, também tem um papel fundamental na propriedade, que inclui a escolha do melhor material genético para a região, a utilização de práticas culturais adequadas, colher no momento correto e armazenar/conservar seguindo as recomendações agronômicas vigentes.

Avalie esse conteúdo: (3 estrelas)

Comentários

Guilherme Alves de Mello Franco

Juiz de Fora - Minas Gerais - Produção de leite (de vaca)
postado em 24/02/2012

Prezado Junio César Martinez: Todavia, não há de ser esquecido o axioma segundo o qual de nada adianta suplementar adequadamente às vacas se estas não forem portadoras de genética voltada para a produção de leite. Destarte, a força genética do animal a ser criado faz a diferença na hora da produção e é por isso que a média individual brasileira é tão pífia: falta de formação genética do rebanho, mestiçagens descontroladas e pouco profissionalismo na hora de implantar modelos de aperfeiçoamento biológico do rebanho. Nunca é demais alertar que a atividade leiteira é terreno de profissionais, de sorte que as margens de lucro são reduzidas e quaisquer desequilíbrios podem fomentar o falecimento da empresa. A inserção de pessoas pouco capacitadas no setor é que tem levado ao pequeno desenvolvimento da área e a concentração, cada vez maior, de mais volume produzido na mão de cada vez menos produtores - os que somos profissionalizados.

Um abraço,


GUILHERME ALVES DE MELLO FRANCO

FAZENDA SESMARIA - OLARIA - MG

=HÁ SETE ANOS CONFINANDO QUALIDADE=

jadeson pereira lemos

Tacaimbó - Pernambuco - Produção de leite (de vaca)
postado em 24/02/2012

Carissimo Guilherme ambas colocações são válidas. Graças a clarividencia desses comentarios venceremos as batalhas à frente.

Geisson Schirmann Vasconcelos

Formigueiro - Rio Grande do Sul - Produção de leite (de vaca)
postado em 24/02/2012

Prezados!

Concordo plenamente com o artigo e com o comentário do Guilherme.

Falta profissionalismo do produtor e a pouca assistência técnica que têm é péssima.

Eu não quiz que a técnica da cooperativa viesse aqui na propriedade me falar abobrinha, Pois ela me recomendou diminuir a ração para melhorar a relação ração/leite. Ora o pouco que sei, tenho que o melhor é aumentar a oferta de pastagens de qualidade, no meu sistema.

Prefiro buscar o conhecimento na net, em sites como milkpoint, livros e revistas e faço sempre pequenos testes no campo, para depois adotar uma novidade na atividade.

Um abraço!

Geisson

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade