Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Valor nutritivo de silagens de milho colhidas em quatro estádios de maturidade

postado em 19/11/2004

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Por Lucas José Mari1 e Luiz Gustavo Nussio2

1. INTRODUÇÃO

As maiores alterações de valor nutritivo da planta de milho para ensilagem ocorrem durante os estádios iniciais de maturação. No início da formação dos grãos (FG), ± aos 75 dias após a emergência, o teor de matéria seca (MS) da planta é baixo e o de carboidratos solúveis em água (CS) é alto. No ponto de maturidade fisiológica do grão (± 150 dias após a emergência), fase do ponto preto (PP), ocorre a maior produção de MS por área, entretanto há perdas de CS, dando lugar ao amido acumulado, havendo impacto importante sobre a qualidade da silagem confeccionada. Vários autores (Bal et al., 1998; Johnson et al., 2001; Hunt et al., 1989) reportaram queda nos teores de fibra insolúvel em detergente neutro (FDN) e de fibra insolúvel em detergente ácido (FDA) conforme ocorre aumento do grau de maturidade, entretanto Russell et al. (1992) observaram que apesar deste declínio nas frações fibra ocorrer a degradabilidade in situ da MS caiu progressivamente do estádio menos para o mais maduro, passando de 60,30% na fase FG para 56,40% na fase PP. A colheita de plantas de milho nos estádios mais avançados de maturidade, i.e. PP, resulta em decréscimos na digestibilidade do amido, se esta for comparada com os estádios de ⅓, ½ ou ⅔ da linha do leite (LL) (Harrison et al., 1996). Em estudos recentes, com o avanço da maturidade das plantas de milho colhidas para ensilagem, houve tendência de declínios nos teores de CS, FDN, FDA e proteína bruta (PB). Todavia, a correlação entre maturidade fisiológica das plantas de milho e consumo de MS, produção de leite ou carne, composição do leite e digestibilidade dos seus nutrientes são inconsistentes.
Em um recente trabalho, que teve como objetivo avaliar o efeito da maturidade de plantas de milho colhidas para ensilagem sobre o valor nutritivo da mesma, Filya (2004) propôs o estudo que será descrito abaixo.

2. MATERIAL E MÉTODOS

As plantas de milho (Zea mays L.) foram colhidas em quatro estádios de maturidade, sendo: FD, 1/3 da linha do leite (1/3 LL), 2/3 LL e PP. Para picagem foi utilizada uma colhedora convencional capaz de obter tamanhos médios de partículas de aproximadamente 1,5 cm. A produção por área foi obtida por colheita e pesagem da forragem dentro de áreas de 1 m2 , em cada uma das seis parcelas de cada estádio de maturidade. Três amostras representativas de forragem fresca de cada estádio foram estocadas a -20 oC. A forragem (aproximadamente 800 g por silo) foi ensilada em 60 silos-laboratório (15 silos para cada estádio de maturidade) com capacidade para 1,5 L, equipados com válvulas para escape dos gases produzidos durante a fermentação. Amostras da forragem fresca, assim como silagens abertas aos 2, 4, 8, 15 e 90 dias de fermentação, dos quatro graus de maturidade foram analisadas química e microbiologicamente.
Os teores de MS e PB foram obtidos seguindo-se o método da AOAC (1990). FDA FDN, celulose (CEL), hemicelulose (HEM) e lignina (LIG), de acordo com Van Soest et al. (1991). As amostras congeladas da forragem fresca e das silagens foram processadas e através dos métodos propostos por Dubois et al. (1956) foi obtido o teor de CS através do fenol-ácido sulfúrico. Etanol, ácido lático e ácido acético foram determinados por cromatografia a gás através do extrato aquoso.
As perdas ocorridas durante a fermentação foram estimadas por diferença de peso, na ensilagem e momentos antes da abertura dos silos-laboratório.
A degradabilidade ruminal das silagens foi estimada de acordo com método proposto por Mehrez & Ø rskov (1977), que consiste em secagem das amostras, moagem a 1 mm e incubação por 48 h de sacolas de dacron (Nylon) de 10-40 μm, com dimensões de 9 cm x 14 cm.
As amostras destinadas à análise microbiológica de cada uma das datas de abertura de cada estádio foram compostas pelas três replicações perfazendo uma amostra única, em virtude disto, a análise estatística destas variáveis não foi possível.
A análise estatística dos outros resultados incluiu ANOVA e o teste Duncan, utilizando o PROC GLM (SAS, 1988).

3. RESULTADOS

O teor e a produção de MS aumentou significativamente (P < 0,05) a medida em que avançou a maturidade, alcançando o máximo no estádio PN (Tabela 1).

Tabela 1 - Parâmetros agronômicos de plantas de milho colhidas em quatro estádios de maturidade.


O pH da planta de milho fresca foi maior no estádio PP (Tabela 2). O teor de CS foi mais elevado no estádio FG, declinando até o estádio PN. A redução dos teores de CS e utilização deste substrato pelas bactérias produtoras de ácido lático foi observada após o processo fermentativo e foi acompanhado por mudanças dos valores de pH. A taxa de declínio do pH para as plantas colhidas em estádio PP, foi menor se comparado aos outros estádios FG, ⅓ LL e ⅔ LL. Na Tabela 2 ainda pode-se notar que os menores teores de ácido acético e maiores de ácido lático foram encontrados em silagens confeccionadas com plantas de estádio FD, comparadas às silagens ⅓ LL, ⅔ LL e PN.

Tabela 2 - Análise química da forragem e da silagem de milho.


Médias seguidas de letras iguais na coluna e dentro do mesmo tipo de
forragem, não diferem estatisticamente (P>0,05).
Fonte: Filya, 2004.

Lactobacillus sp., leveduras e fungos foram observados em baixo número nos quatro estádios de maturidade na planta fresca (Tabela 3), mas houve um aumento significativo da população de bactérias ácido láticas (BAL) em todos estádios de maturidade.

Tabela 3 - Análise microbiológica da forragem e da silagem de milho.


a Logaritmo do número de unidades formadoras de colônia.
Fonte: Filya, 2004.

Os teores médios de FDN, FDA, HEM e CEL na planta fresca e nas silagens foram menores no estádio PN e maiores no estádio FG (Tabela 4). Os teores de LIG na forragem e nas silagens foram menores nos estádios FG e maiores no PP.

Tabela 4 - Teores de fibra, de proteína bruta e de cinzas da planta de milho fresca ou ensilada após 90 dias de fermentação.


A degradabilidade da MS e da matéria orgânica (MO) e a produção de MS degradável (MSD) aumentou com a maturidade nos estádios FG até ⅔ LL, quando atingiu o ponto máximo destas variáveis e passou a declinar até o estádio PP (Tabela 5). A degradabilidade do FDN declinou conforme o ponto de maturidade foi alcançado, sendo encontrado no estádio PP, os menores valores de FDN degradável e a menor produção de FDN degradável.

Tabela 5 - Degradabilidade ruminal in situ e produção estimada da matéria seca, da matéria orgânica e do FDN de silagens de milho após 90 dias de fermentação.


4. CONCLUSÕES

O valor nutricional da silagem de milho depende do estádio de maturidade no momento da colheita da planta. As mudanças na produção de MS e valor nutritivo da cultura ocorreram durante a maturação das plantas dos estádios FG até PP. A concentração de ácido lático das silagens foi maior quando a planta foi colhida no estádio FG, refletindo em diferenças de pH oriundas dos maiores teores de CS. Todas as silagens em todos estádios de maturidade apresentaram boas características fermentativas. Em virtude da cultura de milho ter como característica a alta concentração de HEM, se comparada às demais culturas, foi observada queda nos teores de FDN e FDA, pois parte desta HEM, de acordo com Morrison (1979), é solubilizada em meio ácido. Os valores de degradabilidade, tanto da MS quanto da MO, assim como suas produções máximas ocorreram aos ⅔ LL. O tempo ótimo de colheita das plantas de milho para ensilagem deu-se quando os grãos apresentavam com ⅔ LL, tendo em vista maximizar a produção de nutrientes potencialmente fermentáveis por hectare.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Bal, M.A., Shinners, K.J., Straub, R.J., Koegel, R.G., Shaver, R.D., 1998. Effect of rolling on ruminal in situ degradation of mature and immature whole-plant com and stover silages. J. Dairy Sci. 81 (Suppl. 1), 334 (Abstr.).
Filya, L., 2004. Nutritive value and aerobic stability of whole crop maize silage harvested at four stages of maturity. Anim. Feed Sci. Technol. 116, 141-150.
Harrison, J.H., Johnson, L., Riley, R., Xu, S., Loney, K., Hunt, C.W., Sapienza, D., 1996. Effect of harvest maturity of whole plant com silage on milk production and component yield and passage of com grain and starch into feces. J. Dairy Sci. 79 (Suppl. 1), 149 (Abstr.).
Hunt, C.W., Kezar,W., Vinande, R., 1989. Yield, chemical composition, and ruminal fermentability of com whole plant, ear, and stover as affected by maturity. J. Prod. Agric. 2, 357-361.
Johnson, L., Harrison, J.H., Davidson, D., Mahanna,W.C., Shinners, K., Linder, D., 2001.Comsilage management: effect of maturity, inoculation, and mechanical processing on pack density and aerobic stability. J. Dairy Sci. 85, 434-444.
Mehrez, A.Z., Ørskov, E.R., 1977. A study of the artificial fibre bag technique for determining the digestibility of feeds in the rumen. J. Agric. Sci. 88, 645-650.
Morrison, I.M., 1979. Changes in the cell wall components of laboratory silages and the effects of various additives on these changes. J. Agric. Sci. (Camb.) 93, 581-586.
Russell, J.R., Irlbeck, N.A., Hallauer, A.R., Buxton, D.R., 1992. Nutritive value and ensiling characteristics of maize herbage as influenced by agronomic factors. Anim. Feed Sci. Technol. 38, 11-24.
Statistical Analysis System (1988). SAS® User's Guide: Statistics, Version 6. SAS Institute, Cary, NC, USA.
Van Soest, P.H., Robertson, J.B., Lewis, B.A., 1991. Methods for dietary fiber, neutral detergent fiber, and nonstarch polysaccharides in relation to animal nutrition. J. Dairy Sci. 74, 3583-3597.

1Médico Veterinário, Mestre, Doutorando em "Ciência Animal e Pastagens" - USP/ESALQ.
2Professor Adjunto do Departamento de Zootecnia - USP/ESALQ - Piracicaba, SP.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Vilmar Fruscalso

Erechim - Rio Grande do Sul - Consultoria/extensão
postado em 19/02/2010

Sou Extensionista Rural da EMATER/RS-ASCAR do Rio Grande do Sul, atuando como Chefe do Escritório Municipal do Município de Cruzaltense - RS. Sou formado em Engenharia Quimica, Engenharia Agronômica, com mestrado e Produção Animal/Nutrição de Ruminantes, tese em qualidade do leite. Parabenizo o MilkPoint pela extraordinária contribuição que vem dando aos Profissionais da área leteira e ao todo o Setor.

Grande abraço


Vilmar Fruscalso

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade