Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Silo Bag: uma interessante alternativa no armazenamento da silagem

Por Thiago Fernandes Bernardes e Rafael Camargo do Amaral
postado em 22/09/2009

22 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

As propriedades agrícolas podem estocar silagem de várias formas, utilizando os silos horizontais (trincheira ou superfície), o silo torre (se encontra em desuso), o silo-fardo revestido por filme plástico e o silo bag, sendo que esses dois últimos se encontram em franco desenvolvimento no nosso país.

A maioria dos pecuaristas prefere os silos horizontais, principalmente o tipo superfície, devido ao baixo custo inicial de investimento e elevadas quantidades de forragem que podem ser depositadas no abastecimento e retiradas durante o desabastecimento (etapa de fornecimento de silagem aos animais). Contudo, silos horizontais permitem a exposição de grande parte da massa de silagem ao oxigênio atmosférico, seja durante a estocagem (fermentação) ou no desabastecimento.

A presença de oxigênio leva ao desenvolvimento de fungos, o que causa o fenômeno da deterioração aeróbia da massa. Os principais efeitos da deterioração são: perdas de matéria seca, redução do desempenho animal e riscos à saúde dos animais e da população humana pelo consumo de produtos de origem animal contaminados com patógenos e/ou micotoxinas presentes na silagem.

A silagem estocada em bags é produzida com máquinas que "empacotam" a forragem picada em tubos plásticos horizontais (Figura 1). Os silos bag possuem certa variedade de tamanhos, podendo variar de 1,8 a 3,6 m de diâmetro e 30, 60 ou 90 m de comprimento, sendo a dimensão 1,8 por 60 m é a mais comum no nosso país. Bags que variam de 30 a 60 metros podem estocar de 2 a 6 t de silagem/m linear. Esse intervalo de densidade é em função do grau de picagem (tamanho de partícula) e da cultura que está sendo estocada. O plástico utilizado não é reutilizável e geralmente custa entre R$ 6 a 10/t de silagem estocada.



Figura 1. Silo bag sendo confeccionado.
O silo bag apresenta os seguintes aspectos positivos como estrutura para estocar silagem:

a)A anaerobiose é rapidamente alcançada: Pelo fato da forragem picada sair do vagão forrageiro e ser colocada e compactada diretamente no bag, onde não há contato com o ar, a fermentação inicia-se velozmente, reduzindo as perdas pela menor respiração da massa e crescimento de microrganismos aeróbios.

b)Flexibilidade quanto ao local de confecção do silo: O silo bag pode ser confeccionado no local onde possa facilitar a logística de máquinas e mão-de-obra dentro da fazenda, ou seja, ele pode ser preparado próximo ao local de colheita da forragem ou próximo a estrutura de confinamento. É importante ressaltar que o terreno deve ser plano e limpo, de modo que possa facilitar o trabalho no momento da confecção do bag e evitar furos acidentais no plástico.


c)É permitido o uso de glebas com histórico agronômico diferenciado: A propriedade pode destinar glebas com diferentes históricos agronômicos para cada silo, permitindo uma uniformidade maior entre os volumosos. Isso facilita o manejo de alimentação dos animais, principalmente quanto a diferenciação de lotes e de dietas.

d)Variabilidade na capacidade de estocagem: Como o mercado possui diferentes dimensões de bags é possível confeccionar silos de vários tamanhos. Isso facilita principalmente o manejo de propriedades que estocam pequena quantidade de silagem.

e)Menor uso de plástico: A quantidade de plástico utilizada para estocar uma tonelada de silagem é menor em silo bag quando comparado ao silo-fardo revestido por filme plástico. Os estudos mostram que são necessários 1,2 a 1,5 kg de plástico/t de matéria seca contra 2,5 a 3,0 kg/t MS para o bag e fardo, respectivamente. Esse fator é importante sob o ponto de vista ambiental, pois há um interesse mundial em diminuir o uso de plástico na agricultura.

f)Menor exposição do painel ao oxigênio atmosférico: A etapa de abertura do silo é uma das mais críticas para o processo de ensilagem, pois a massa de silagem entra em contato direto com ar. Como o painel do bag é de pequena dimensão, quando comparado a um silo trincheira, por exemplo, menores perdas por deterioração aeróbia podem ocorrer devido ao menor fluxo de ar que entra na massa de silagem.

Contudo, esse tipo de estrutura de estocagem apresenta dois aspectos que podem ser considerados como negativos: o investimento inicial em equipamentos e a lentidão no tocante ao desabastecimento do silo. A aquisição de uma embutidora tem sido a principal barreira, principalmente porque os produtores brasileiros não possuem poder de compra como em outros países e, na maioria das vezes, encontram-se descapitalizados. Quanto à lentidão no desabastecimento, isso tem sido uma barreira porque grandes rebanhos necessitam de rapidez durante a mistura da dieta e fornecimento desta aos animais. Máquinas com a função de desensilar e misturar os ingredientes (Total Mix) têm sido utilizadas quando há silos trincheira na propriedade, entretanto esse equipamento fica impossibilitado de desabastecer silo bag. Desse modo, na grande maioria das fazendas a retirada da silagem tem que ser feita manualmente, o que pode dificultar a logística de alimentação dos rebanhos.

Muck et al. (2009) realizaram um estudo com silagem de alfafa estocada nas três estruturas mais comuns nos Estados Unidos para se conservar forragem: o silo torre, o trincheira e o bag. Quanto as características das silagens (Tabela 1), os resultados mostraram que houve diferença significativa para as variáveis digestibilidade da fibra (FDN) e pH das silagens. O silo tipo torre apresentou os maiores valores de digestibilidade e os menores valores de pH quando comparado aos outros silos, nos dois anos de estudo. As perdas também foram menores quando a alfafa foi armazenada na torre, contudo as perdas foram maiores quando a estocagem foi realizada em silos trincheira, o que coloca o silo bag numa situação intermediária.

Tabela 1. Características de silagens de alfafa estocadas em silo torre, bag ou trincheira (modificado de Muck et al., 2009).



Dando continuidade ao estudo, os autores forneceram às vacas em lactação as silagens armazenadas nos três diferentes silos e, encontraram que houve diferença entre os tratamentos somente no segundo ano de estudo, quando os animais que foram alimentados com silagem proveniente do silo torre se tornaram mais produtivos (Tabela 2).

Tabela 2. Ingestão e produção de leite de vacas alimentadas com silagem de alfafa estocada em silo torre, bag ou trincheira (modificado de Broderick et al., 2009).



Baseado nos estudos que temos até o momento em outros países e na recente experiência com este tipo de silo no Brasil é possível concluir que:

-Os pecuaristas, as indústrias produtoras de equipamentos e de plásticos e a comunidade científica necessitam de mais estudos com silo bag para podermos consolidar definitivamente o seu uso no nosso país;
-Os silos horizontais (trincheira e superfície), apesar de apresentarem grandes riscos de perdas pela exposição da massa ao ar, são os principais métodos para estocar silagem em propriedades com grandes rebanhos devido a necessidade de rapidez na alimentação dos animais.
-O silo bag é bastante atrativo para pequenos volumes de silagem, principalmente quando esta é direcionada aos animais de alta exigência nutricional, sendo a silagem de grãos úmidos de cereais uma interessante estratégia para ser estocada nesse tipo de silo. Como a aquisição da embutidora se torna um problema inicial, a terceirização dos serviços e o aluguel do equipamento pode ser uma saída para os produtores que não desejam realizar a compra da máquina.

Literatura consultada:

Muck, R. E., Broderick, G. A., Brink, G. E. Effects of silo type on silage quality and losses. In: INTERNATIONAL SILAGE CONFERENCE, 15, 2009, Madison. Proceedings. Madison: U.S. Dairy Forage Research Center, 2009, p.275-276.

Broderick, G. A., Muck, R. E., Krizsan, S. J. Effect of silo type on utilization of alfalfa silage by lactating dairy cows. In: INTERNATIONAL SILAGE CONFERENCE, 15, 2009, Madison. Proceedings. Madison: U.S. Dairy Forage Research Center, 2009, p.361-362.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Rinaldo Vicalvi

São Paulo - São Paulo - Produção de leite (de vaca)
postado em 22/09/2009

Vocês sabem se alguem ja utilizou o silo tubo para ensilar CEVADA UMIDA.Desde ja agradeco

Adalton Ribeiro Lopes

Campo Belo - Minas Gerais - Distribuição de alimentos (carnes, lácteos, café)
postado em 22/09/2009

gostaria de como funciona e onde podemos ver um silo e fornecedor.

Carlos Marcio Guapo

Campo Florido - Minas Gerais - Produção de gado de corte
postado em 22/09/2009

Colegas

Gostaria de saber mais sobre o silo Bag, vou fazer silagem de milheto e tenho um amigo que poderia me alugar a maquina de ensilar.
Me indiquem a empresa, trabalhos, etc

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade