Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia do leite > Giro Lácteo

Programa Balde Cheio traz lucro para o leite

postado em 01/10/2008

24 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Um trabalho que está completando dez anos prova que é possível produzir, com lucro, leite em pequenas propriedades, garantindo a fixação do pecuarista no campo. O projeto Balde Cheio, da Embrapa Pecuária Sudeste, que já alcançou 2 mil propriedades rurais em 350 municípios de 10 Estados, já capacitou 50 técnicos e tem mais 500 em capacitação.

De acordo com o coordenador do Balde Cheio, o pesquisador da Embrapa Artur Chinelato de Camargo, "todas as propriedades que continuaram no projeto tiveram sucesso". Conforme Camargo, entre 60% e 70% das propriedades têm no máximo 20 hectares, ou seja, são pequenos produtores. O primeiro foco do Balde Cheio não são os animais, nem a propriedade, mas o produtor. "Nosso objetivo primordial é recuperar a sua auto-estima, reduzir o êxodo rural e, conseqüentemente, aumentar a produtividade."

O pesquisador identificou também o principal motivo da baixa produtividade: a má alimentação do gado. "Muitos produtores desconhecem o que é bom para as vacas. Com o projeto, a maioria já tem até irrigação para aumentar a produção do pasto e a lotação dos animais." Mas ele lembra: "Não há uma receita que sirva para todos os produtores, em todas as regiões".

A missão da Embrapa é capacitar os técnicos de casas de agricultura, sindicatos rurais, empresas de extensão rural ou qualquer entidade interessada. São esses técnicos que dão assistência aos produtores, por meio de cursos, dias de campo e visitas às "salas de aula". "A extensão é o elo entre a pesquisa e o produtor."

A implementação do projeto Balde Cheio dura quatro anos. Depois, é fundamental que a extensão rural assuma o trabalho. Para isso, em São Paulo, a Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati) criou, em 2000, o Cati Leite. "Até o ano passado, o foco era a capacitação dos técnicos. A partir de agora, o objetivo é o desenvolvimento dos produtores, sobretudo dos pequenos, pois a média dos rebanhos é de 12 animais", diz a coordenadora de Planejamento do programa, Marianne de Oliveira Silva.

Das 40 regionais agrícolas da Cati, 32 participam do projeto. "Hoje, o Cati Leite envolve 490 propriedades e 375 técnicos. A meta, para este ano, é atingir 600 propriedades."

Para participar, o produtor deve procurar a casa de agricultura do município, que cadastra o interessado. Depois, é assinado um termo de compromisso, que garante a visita do técnico à propriedade e define os direitos e deveres do produtor. "Faz-se um levantamento planialtimétrico da propriedade, que dá a visão espacial global da área. Isso serve, por exemplo, para saber onde é melhor instalar os piquetes." O próximo passo é fazer análise de solo para saber sua qualidade. Um terceiro passo refere-se à sanidade do gado, com a realização de exames de tuberculose e brucelose.

Marianne diz que a primeira coisa que os produtores querem fazer é trocar os animais, o que é um erro. "Costumo dizer que a genética é o último passo, é o teto da casa. O chão é a comida."

A matéria é de Niza Souza e Fernanda Yoneya, publicada no jornal O Estado de SP, adaptada e resumida pela Equipe MilkPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

JOSIMAR RODRIGUES DUARTE

Pires do Rio - Goiás - Produção de leite (de vaca)
postado em 01/10/2008

Tenho uma pequena propriedade (43há) na região de Pires do Rio - GO, e gostaria de conhecer o projeto balde cheio, pois produzo leite na propriedade e gostaria de entender como funciona o projeto e quais as diretrizes para implementação do mesmo na minha região.

Antônio José Arantes Meirelles

Cruzília - Minas Gerais - Pesquisa/ensino
postado em 01/10/2008

Na Agrishow em Ribeirão Preto - SP deste ano, no stand da EMBRAPA, tinha uma maquete do PROGRAMA BALDE CHEIO. Conversando com a pesquisadora, mostrei a minha indignação porque esta mesma maquete não estava na entrada, com todas as pompas necessárias e recomendadas a um projeto que dá certo no meio rural, principalmente na pequena propriedade, pois esses produtores são os maiores que conheço, pois acreditam e praticam a junção da teoria com a prática, na maioria dos casos sem recurso financeiro disponível, onde grandes melhorias na qualidade de vida das pessoas acontecem. É uma pena que o projeto ainda não esteja instalado em todos os municípios do Brasil.

Gostaria de parabenizar toda a equipe, principalmente o Dr. Arthur pela brilhante luta e pelo exemplo do que é ser um verdadeiro agrônomo, como agente transformador de uma comunidade tão massacrada pela sociedade, chamada pequeno produtor rural e suas pequenas propriedades. Esses são os verdadeiros heróis sem espada.

Afranio de Souza Magalhaes

Ji-Paraná - Rondônia - Revenda/ distribuição de produtos para a produção
postado em 02/10/2008

Parabens para toda equipe do Projeto Balde Cheio em especial para esse grande pesquisador Artur Chinelato de Camargo, a pecuaria leiteira depende de pessoas profissionais e empenhadas no sucesso da atividade.
Parabens pelo sucesso!

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade