Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Leite & Mercado > Giro Lácteo

Governo da Argentina paga novos subsídios aos produtores de leite

postado em 21/03/2016

3 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O governo da Argentina oficializou na última quarta-feira (16) o pagamento de novas compensações para os produtores de leite. Por meio das resoluções 34 e 35 do Ministério de Produção, ordenou que sejam pagos quase 84 milhões de pesos (US$ 5,73 milhões).

Em janeiro, o presidente argentino, Mauricio Macri, anunciou subsídios de 40 centavos (2,72 centavos de dólar) por litro nos primeiros 3.000 litros produzidos durante janeiro, fevereiro e março. Para realizar os pagamentos, estão sendo consideradas as produções obtidas de outubro a dezembro de 2015.

Governo comprará leite

No início desse mês, o ministro da Agroindústria da Argentina, Ricardo Buryaile, anunciou que o Governo comprará o excesso de leite que o setor industrial tem para a exportação. A medida pretende melhorar os preços recebidos pelos produtores e dessa maneira, o governo espera também desativar um possível protesto do setor.

Estima-se que as usinas leiteiras se encontrem com excesso de estoques de 20.000 a 30.000 toneladas e que se trata, junto com a queda dos preços internacionais, de um dos fatores que impedem a melhora dos preços ao produtor. “Vamos intervir na compra direta de leite”.

O Governo buscará um destino para colocar essa mercadoria e a operação não representaria nenhum custo, já que apenas atuaria para colocar os excedentes em algum mercado externo. Uma das possibilidades é usar o leite para pagar a dívida energética com a Venezuela.

SanCor

A companhia de lácteos argentina, SanCor, assinou nessa semana um novo acordo com o governo da Venezuela, de venda de 40.000 toneladas de leite em pó. Essa notícia era muito esperada, dado que a finalização do acordo anterior tinha preocupado os membros da cadeia de lácteos, já que em um momento como esse, onde sobra leite, a possibilidade de perder um mercado tão demandante poderia repercutir de maneira muito negativa sobre um negócio que já está em crise.

O governo argentino não atuou como gestor desse acordo, que é exclusivo entre a empresa e os responsáveis do governo venezuelano para esse tipo de negociações.

Protesto

Várias entidades do setor de produção de leite da Argentina confirmaram que iniciarão uma manifestação nesta segunda-feira, dia 21 de março, em Rafaela, Santa Fé, e em Villa María, Córdoba, com a possibilidade de que se amplie a outros pontos do país. “Estamos reclamando medidas urgentes”, disse Carlos Baravalle, da Federação Agrária Argentina (FAA). “O produtor continua recebendo 2,50 pesos (US$ 0,17) por litro há dois anos, enquanto os preços nos supermercados não param de aumentar. Pedimos que haja uma distribuição mais equitativa”.

Em 18/03/16 – 1 Peso Argentino = US$ 0,06824
14,6463 Peso Argentino = US$ 1 (Fonte: Oanda.com)

Leia também:

Novo presidente da Argentina implementa subsídios ao setor de lácteos

Governo argentino cogita usar leite em pó para pagar dívida energética com a Venezuela

As informações são do La Nación e do Infocampo, traduzidas e resumidas pela Equipe MilkPoint. 

 

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

Roberto Jank Jr.

Descalvado - São Paulo - Produção de leite
postado em 21/03/2016

Atenção aos interessados e lideranças. Precisamos reavaliar a necessidade da alíquota compensatória, se essa atitude do Macri vier a reviver as praticas desleais de comercio que tanto prejuízo e atraso já causaram á cadeia do leite no Brasil.

reichard

Porto Vitória - Paraná - Estudante
postado em 24/03/2016

é interessante governos  pagarem subsideos aos produtores para que possam produzir melhor. bom artigo

Darlani de Souza Porcaro

Muriaé - Minas Gerais - Produção de leite (de vaca)
postado em 29/03/2016

A quí, não precisa ter subsídios , bastar o govêrno, principalmente o Estado,  retirar , ou diminuir as alícotas , que entram no prêço final dos produtos lácteos.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2016 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade