Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia do leite > Giro Lácteo

Balde Cheio: 54 fazendas assistidas em Uberlândia/MG

postado em 04/03/2008

19 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Tanto em Uberlândia (MG) como em outros municípios mineiros, o programa Balde Cheio está atingindo o objetivo de promover a melhoria da renda do produtor. No estado, são 40 municípios participantes, e está sendo articulada a participação de outros.

Em Uberlândia, ele está sendo desenvolvido em parceria com a Federação da Agricultura e Pecuária do de Minas Gerais (Faemg), o Senar Minas e a Cooperativa dos Produtores de Leite de Uberlândia (Calu). Já são 54 fazendas assistidas, oito delas servindo como unidades demonstrativas do projeto.

"O Balde Cheio tem tudo para ser bem-sucedido, pois é simples e sustentável. Além disso, tem grande alcance social, porque está atendendo basicamente a pequenos produtores rurais", ressalta o presidente da Faemg, Roberto Simões.

Os bons resultados são confirmados pelo produtor Roberto Pereira de Oliveira. A produção, que não passava de 70 litros diários no período das águas, aumentou 50% só no primeiro mês. Hoje a produção diária é de 200 litros de leite - sem ampliar o rebanho - com 16 vacas em lactação. "Antes, não anotávamos nada: não tínhamos noção de quanto ganhávamos e gastávamos ou de quanto uma vaca produzia. Agora, controlamos tudo", disse o produtor.

Segundo o presidente da Calu, Eduardo Dessimoni, o sucesso do projeto é tanto que em breve deve dobrar o número de propriedades assistidas na região. Para o presidente da Comissão Nacional de Pecuária de Leite da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Rodrigo Alvim, os resultados do Balde Cheio irão se refletir de maneira significativa na produção nacional, já que o projeto atende prioritariamente o produtor de pequeno porte, categoria que representa 75% do total de pecuaristas de leite do país.

Em linhas gerais, o projeto consiste na adoção de técnicas de manejo de pastagem do gado, controle zootécnico e gestão da propriedade, com o acompanhamento minucioso das receitas e despesas, buscando a maior produção de leite na menor área possível e, conseqüentemente, gerando mais lucro para o produtor.

As informações são do jornal Estado de Minas.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Maria Luzineuza Alves Gomes da Maia

Marabá - Pará - Instituições governamentais
postado em 04/03/2008

Boa tarde!

Prezados,

Parabéns pela ininiciatva de implantação desse programa em Minas Gerais e pelos resultados positivos alcançados.

Peço-lhes mais inforamções de como poderei implantar esse programa "BALDE CHEIO" no estado do Pará, especificamente nos grupos de produtores atendidos pelo projeto do SEBRAE-PA e parceiros, APL do leite na região de Marabá, do qual sou a gestora, e atendemos 05 municípios, no total de 07 grupos.

O horizonte do projeto é de 03 anos, (2008/2010), e temos também o projeto Leite e derivados na região de Redenção, que atende 06 grupos. Portanto, gostaria de contar com o apoio de todos envolvidos com o programa, para que possamos trabalhar juntos e conseguir transformar o cenário atual dessas propriedades, proprocionando uma melhoria na qualidade de vida desses produtores.

São eles que fazem a diferença nesse país, consta nos nossos diagnósticos que a maior produção de leite do Estado está concentrada no pequeno produtor inserido na agricultura familiar, os quais têm uma média de produção de 3 litros/vaca/dia, e com uma grande área de pastagem, porém degradados.

Mais uma vez parabéns pelo sucesso do programa.

Conto com o apoio de todos para formar essa parceria e conseguirmos sucessos juntos!

Atenciosamente,
Maria Luzineuza Alves Gomes da Maia
Tecnologa em Alimentos
Gestora do Projeto APL do Leite na região de Marabá
UN Marabá / Sebrae- Pará

José Iêdo Mota Mendonça

Maceio - Alagoas - Produção de gado de corte
postado em 04/03/2008

Bem interessante o Projeto. Gostaria de obter maiores detalhes sobre o mesmo.

Tenho plena convicção de que este Projeto se encaixaria muito bem na bacia leiteira aqui do meu estado, Alagoas. Principalmente no atual estágio de declínio em que se encontra.

Para ilustrar melhor esta situação, Alagoas já foi o maior produtor de leite do Nordeste. Hoje ocupa o sétimo lugar, sendo ultrapassado até mesmo por Sergipe, que até pouco tempo atrás possuía uma bacia leiteira sem expressão em termos de produção.

Seria interessante que as autoridades constituídas de Alagoas, que têm responsabilidade direta com o assunto, como Presidente da Federação de Agricultura, Secretário de Agricultura e o Governador do Estado, atentassem para o problema e adotassem medidas urgentes, afim de evitar o desmantelamento de uma região que já foi tão pujante.

Muito grato,
Iêdo

Alcir Ribeiro de Queiroz

Leopoldina - Minas Gerais - Produção de leite (de vaca)
postado em 05/03/2008

Acompanho o projeto do Balde Cheio no estado do Rio de Janeiro, e gostaria que fosse implantado em nossa região (Leopoldina/MG). Mas infelismente os nossos órgãos de classe (sindicato e cooperativas) me parece que não estão preocupados, porque não acreditam ou dá trabalho (custo).

Jose Eduardo Junqueira Ferraz

Juiz de Fora - Minas Gerais - Consultoria/extensão
postado em 05/03/2008

Não me causa espanto em função da capacidade de gestão pública voltada para agropecuária de Minas Gerais do então prefeito de Uberlândia (Odelmo Leão), pelo belo trabalho implatado como secretário de estado e também presidente da FAEMG. Não podia ser diferente em sua cidade.

Parabéns, Odelmo.

André Barbosa

Macaé - Rio de Janeiro - Instituições governamentais
postado em 07/03/2008

Prazados(as), faço parte do programa, como técnico, desde 2005 e quero deixar meu testemunho de como ele tem revolucionado corações e mentes em vários cantos do país.
Parabéns a todos(as) que acreditam no "Balde Cheio".
Um forte abraço!!!
Sucesso!!!

PAULO MOREIRA JANUARIO

Pará de Minas - Minas Gerais - Revenda/ distribuição de produtos para a produção
postado em 13/03/2008

Prezados(as), Venho por meio deste disponibilizar meu telefone de contato para os que interessarem em comercializar Farelo de Soja, com a melhor qualidade do Brasil e o melhor, com preços muito atrativos além de demais insumos:

37-3231-6336

unigrao@unigrao.com.br

Homilton Narcizo da silva

Goiânia - Goiás - Produção de leite (de vaca)
postado em 13/03/2008

Meus conterrâneos mineiros estão de parabéns, e isso que precisa a pecuária não só de Minas mas de todo brasil. Não adianta grandes extensões de terras, mas se forem mau exploradas, não obteremos resultados, com essas atitudes e que vem o progresso. Só espero que no meu estado que é Goiás, aconteça estas maravilhas, para impulsionar não só a pecuária, mas também a agricultura.

Abraços a todos e parabens

Helio Porfirio Guimarães

Vila Velha - Espírito Santo - Instituições governamentais
postado em 14/03/2008

Conheço o projeto balde cheio, no Rio de Jneiro e Bahia, e realmente tem demonstrado uma alta viabilidade. Estamos tentando parceria com a Embrapa para implantá-lo em nossos projetos de assentamentos de trabalhadores rurais. No Espírito Santo, principalmente no norte do estado, onde o INCRA desapropiou uma fazenda que é propícia para a produção de leite.

O pontecial de produção de leite em pastagens tropicais são grandes e seus limites ainda são imperceptíveis, quando o sistema perder o complexo de inferioridade, o produtor souber manejá-las corrertamente, ousando introduzir vacas leiteiras especislizdas, com boa persistência alta produção, o Brasil poderá ser o maior produtor de leite do mundo.

deusimar f. de oliveira

Alpharetta - Georgia - Estados Unidos - Produção de leite (de vaca)
postado em 14/03/2008

É de projetos assim que o produtor precisa para se qualificar, para deixar de ser chamado de incompetente por muitos. Tenho assistência de técnicos da UFGO neste mesmo segmento, eles também estão fazendo um belo trabalho. Parabéns a todos.

Guilherme Resende de Oliveira

Luz - Minas Gerais - Assessor em Gestão de Negócios
postado em 20/03/2008

O Projeto Balde Cheio está implantado na cidade de Luz, Minas Gerais, também em parceria com a FAEMG e o SENAR MINAS, através da Cooperativa de crédito de Luz Ltda. Há exatamente três meses iniciamos o trabalho, com 20 produtores do município, sendo assistidos por dois técnicos.

Em pouco tempo, passamos a alcançar resultados como, diminuição de custos, aumento na produção e um dos resultados mais importantes considerados por todos os envolvidos foi a mudança do produtor, que passou a realizar os controles, anotações e melhorou sua percepção frente ao mercado, estando atento e preocupado com a gestão de sua empresa.

Fico muito satisfeito pelo trabalho realizado pelos colegas de Uberlândia e espero que todos os municípios façam o mesmo, busquem juntamente com o projeto ajudar o pequeno produtor.

Parabéns e sucesso a todos.

Edmilson Marques dos Santos

Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Produção de leite (de vaca)
postado em 25/03/2008

Parabéns pela iniciativa deste projeto. Sem dúvida é uma das alternativas para o pequeno produtor se desenvolver economicamente e socialmente tendo em vista que tem pouco apoio ou é pouco assistido pelo poder público . Seria de bom se este projeto se estendece para outros estados como o meu que tem muito a evoluir nestá area. Gostaria de saber mais detalhes do projeto, como e onde conseguir.

renato calixto saliba

Brasília - Distrito Federal - Produção de leite (de vaca)
postado em 29/03/2008

Infelizmente aqui em Brasília não temos nenhum projeto Balde Cheio, e não temos unidades demonstrativas. Ficamos muito interessados neste fantástico projeto, e gostariamos de saber como implantá-lo em nossa cooperativa.

FLÁVIO CARNEIRO GIRÃO

Ipatinga - Minas Gerais - Consultoria/extensão
postado em 30/03/2008

Inicialmente queremos parabenizar a todos por esta extraordinária iniciativa;como extensionista com mais de 3 décadas de vivência continuada na atividade, posso afirmar que quando se unem pessoas e entidades em torno de um objetivo, as coisas geralmente acontecsem; recentemente conheci pessoalmente o pesquisador Artur Cninelatto de Camargo e sua equipe; trata-se de um verdadeiro apostólo da eficiência com eficácia na atividade leiteira, com uma importante interface de humanismo e promoção social principalmente para o pequeno produtor rural; merece de todos nós um grande respeito.

Há cerca de quinze meses iniciamos em nossa região, o Vale do Aço Mineiro, uma experiência assemelhada ao Projeto Balde Cheio, envolvendo cerca de 10 (dez) extensionistas, situados em 10 municipios no entorno de Ipatinga (MG), estes técnicos ficariam incubidos de selecionar em seu municipio uma propriedade demonstrativa em bovinocultura de leite, a partir desta propriedade constitui-se um pequeno núcleo municipal de produtores, que irão interragir com os demais núcleos municipais, em eventos como dias de campo, realizados com uma frequencia mensal.

Apartir desta estrutura: produtores mais propriedades demonstrativas mais extensionistas mais Emater - MG mais prefeituras mais parceiros/outros, se montou um Programa regional de Desenvolvimento da Bovinocultura de Leite no Vale do Aço, onde cada propriedade assistida /acompanhada/controlada será comparada com as demais participantes em um torneio de eficiência anual.

Por ocasião dos encontros entre produtores/extensionistas e dias-de-campos são realizadas avaliações/debates/troca de experiências/difusão de tecnologias/praticas bem sucedidas em cada propriedade selecionada; assim está caminhando o programa que já apresenta alguns resultados positivos, e uma significativa mobilização de produtores, que já participaram de algumas ações no municipio circunvizinho de Inhapim (MG), onde o Programa Balde Cheio já está implantado; Está é a nossa experiencia em estar encontrando alternativas (enquanto não se chega ao Balde Cheio).

Desta forma como uma formula onde os principais ingredientes são: mobilização + envolvimento + participação + integração + divulgação + bons produtores + profissionais competentes estamos canhinhando/avançando rumo aos bons resultados; concluimos a instalação de um Campo agrostológico de forrageiras/leguminosas/adubação verde objetivando conhecer as melhores pastagens para nossa região(fotos disponiveis, quando solicitadas.

Veja um exemplo concreto de nossas ações: na última sexta(28/03/2008) realizamos um Dia de Campo na propriedade demonstrativa do Municipio de Timotéo: presença de 75 produtores, 20 extensionistas, revendedores de produtos agropecuários. lideranças politicas, inclusive o Prefeito Municipal /imprens/outros, conhecendo uma propriedade com pastejo rotacionado/ordenha mecanica/matrizes selecionadas e bons resultados

Allan de Oliveira barbosa

Juiz de Fora - Minas Gerais - Consultoria/extensão
postado em 31/03/2008

Aproveito o comentário do Sr. Alcir Ribeiro de Queiroz, de Leopoldina, MG, meu coterrâneo, seria muito bom para os produtores rurais de leopoldina, que tivessemos a implantação do projeto balde cheio na região, servindo para todos municípios circunvizinhos.

Antes de me forma trabalhei com um outros extensionista na região de Juiz de Fora, fazendo estágio com eles, costatei que é um modelo simples que adota tecnologia de baixo custo, aproveitando os recursos disponivéis na fazenda, sem capitalizar investimento muito altos, como adoção de controle de índices zootécnicos, levantamento das áreas por meio da utilização de GPS, manejo adequado de pastagens com utilização de pastejo rotacionado e suplementação de baixo custo como: cana-de-açucar + úreia na época da seca; que apesar de estarmos em 2008, ainda é um mito para muitos produtores o uso desta tecnologia, controle anual do calendário de vacinção e vermifugação do rebanho e adimistração de recitas e gastos etc.

Este seria um modelo de exploração tecnicamente viavél para nossa região, onde a maioria dos produtores se encontra descapitalizados para fazer maiores investimentos em maquínas e implementos agrícolas, além disso oneraria os custos, devido á região ser montanhosa dificultando a mecanização agrícola.

Prescisamos nos mobilizar para que este modelo de exploração seja implantado em nossa região, portanto eu atendo umas propriedades aqui na região de juiz de Fora, na divisa do Rio de janeiro, que algumas estão passando por um processo de transformação para seguir a linha deste modelo .


Allan de Oliveira Barbosa
Extensionista

alberto ozolins

Camanducaia - Minas Gerais - Produção de leite (de vaca)
postado em 07/04/2008

Minha propriedade fica em CamanducaiaSul de Minas Gerais, e lá estou implantando esta idéia (Balde Cheio). Mas de acordo com uma visão de manejo natural (na adubação do pasto e na sanidade animal) e integrado (uso biodigestor, faço meu adubo no curral) para baixar os custos. Vou começar a testar este manejo a partir de maio e assim daqui a pouco vou conhecer melhor como ela funciona na prática.

Alberto Lanari
Mestrando FEAGRI/Unicamp

lupércio braga landim junior

Nova Andradina - Mato Grosso do Sul - Produção de leite (de vaca)
postado em 07/04/2008

Gostaria de dizer que estou fazendo parte do programa Balde Cheio, assitido pelos técnicos da Confepar e comunicar ao nosso amigo Edmilson Marques dos Santos, de Campo Grande (MS), que o projeto Balde Cheio já é uma realidade em nosso estado apesar do pouco apoio do poder público

zilah quinta araújo

Corumbaíba - Goiás - Produção de leite (de vaca)
postado em 01/08/2011

Olá!


Estamos começando a produzir leite, so que a nossa propriedade fica no Estado de Goiás. Dai vi na TV falando sobre o programa Balde Cheio e ficamos encantados. Gostaria de saber se esse programa é so no Estado de Minas Gerais, ou se tem aqui em Goiás. Caso não tenha em Goiás, gostaria de ver a possibilidade de implantar na nossa propriedade, e para tanto se tem algum profissional para nos orientar.

Eduardo Hara

Rio Verde - Goiás - Consultoria/extensão
postado em 01/08/2011

Zilah,



Bom dia!

Tem programa Balde Cheio em Goiás sim!

Entre em contato com o Senar/GO na pessoa do Marcos Bragança que é o responsável pelo programa em Goiás.

Sou eng. agrônomo e na cooperativa que trabalho já iniciamos o programa aqui em Rio Verde.



att,

Eduardo

Berenice Ap O Caetano

Tupaciguara - Minas Gerais - leite e queijo
postado em 18/04/2013

tenho 8 hectares de terra que consegui vendendo tudo que tinha inclusive minha casa a 8 anos atras tiro leite de 5 vacas que meda media de 25 litros de leite dia gostaria muito de melhorar  custo acreditar que existe algo que ajude pequenos pois tudo que tentei foi em vao os GERENTE de bancos da minha cidade que procurei nem olha  na cara da gente nao e facil  sozinho gostaria de participar deste programa onde devo procurar  sou de Tupaciguara MG     

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade